Conheça o PIX, o sistema que vai revolucionar a transferência bancária

eeEm maio deste ano, o Banco Central divulgou uma nova ferramenta de pagamento instantâneo, o PIX. Com ele será possível realizar transferência bancária de forma simples e rápida.

A ferramenta tem o intuito de facilitar e otimizar os pagamentos e transferências, sendo até mais seguro do que outras formas convencionais, principalmente aos usuários.

 

Precisa de uma solução efetiva e profissional para a gestão da sua empresa? Agende uma ligação com um assessor e descubra tudo que a Daexe pode fazer por você!

O PIX poderá ser utilizado para realizar pagamento de boletos, contas de consumo, impostos, taxas governamentais, e também efetuar transferência bancária entre pessoas, bancos e empresas.

Segundo o Banco Central (BC), o sistema entrará em vigor em 16 de novembro de 2020. Porém vai funcionar de forma restrita já em 3 de novembro.

Antes disso, em 5 de outubro, os bancos e fintechs que tenham mais de 500 mil clientes devem oferecer a criação da Chave PIX. Ela permitirá que o cliente possa fazer as transações a partir de novembro.

 

O que é o PIX?

Já pensou em pagar uma conta depois do horário do expediente bancário? Ou em pleno domingo? Essas serão algumas das vantagens do PIX.

O novo sistema, que está na fase final de testes, funcionará 24h por dia, sete dias por semana e se diferencia dos métodos convencionais. A ideia é que em um futuro próximo esse novo sistema substitua o DOC e TED.

Colocando em prática, essa nova forma será mais parecida com o TED, em que o pagamento cai na mesma hora que ocorre o depósito ou transferência.

A partir de novembro deste ano, o PIX será o novo sistema brasileiro de transferências monetárias eletrônicas instantâneas.

Ele será integrado aos bancos, fintechs e estabelecimentos comerciais, não sendo necessário baixar nenhum aplicativo adicional em seu celular.

Também será possível utilizar esse sistema no caixa eletrônico ou por meio do internet banking.

 

Como funcionará a transferência bancária pelo PIX?

Sabe aquela hora que você chega para fazer um depósito e não encontra o envelope para colocar o dinheiro? Isso não será mais um problema.

Com o PIX não será mais necessário informar o número da agência e conta, por exemplo, quando for fazer uma transferência bancária.

Segundo o BC, será necessário usar apenas a “Chave PIX”, que poderá ser o CPF, CNPJ, número de telefone celular ou um endereço de e-mail.

Para realizar as transações no novo sistema, tanto quem irá transferir o  dinheiro, quanto quem recebe, precisarão ter conta. Nesse caso, a conta pode ser, por exemplo, em banco, instituição de pagamento ou fintech.

Além disso, utilizando dessas informações a pessoa poderá ter acesso ao seu próprio QR Code para poder receber dinheiro, por meio de pagamento por aproximação.

 

Qual será a tarifa cobrada para utilizar o novo sistema de transferência bancária?

O Pix vai agradar muitas pessoas visto a diferença dos altos valores cobrados atualmente a cada transferência bancária, pois a taxa dele será muito mais barata.

Segundo o Banco Central, será cobrado apenas R$ 0,01 a cada 10 transações, porém, haverá preços diferenciados para pagamento agendados ou de madrugada, por exemplo.

 

Como funcionam as transferências bancárias atualmente?

A princípio quem já pegou muita fila para fazer um depósito ou transferência bancária sabe o quanto essa nova opção otimizará o tempo de muitas pessoas.

 

Atualmente, existem as transferências por:

 

Powered by Rock Convert

DOC – Documento de Ordem de Crédito, o DOC leva 1 dia útil para cair na conta do destinatário. Porém, caso o depósito seja feito após às 21h59, pode ser que o valor seja compensado após 2 dias úteis.

TED – Transferência Eletrônica Disponível, diferente do DOC, o valor transferido via TED, entra na conta do destinatário no mesmo dia. A menos que a transação seja feita após às 17h. Nesse caso, cai no dia seguinte.

 

Em algumas instituições financeiras, o TED, por exemplo, chega a custar de R$ 8 a R$ 16. Porém, caso a transferência seja feita por meio do Internet Banking, a taxa cobrada pelo banco pode ser menor.

Outra questão que também está envolvida nesse tipo de transação é que no DOC, por exemplo, há um limite de até R$ 4.999,99. Já o TED permite transferências maiores do que R$ 5 mil.

 

Quais são os públicos que poderão fazer as transações via PIX:

 

  • Entre Pessoas;
  • Estabelecimentos;
  • Pessoas e estabelecimentos; e
  • Entidades Governamentais.

 

E a segurança do PIX?

As transações feitas por meio do PIX, acontecerão de forma segura, por meio do mecanismo de QR Codes, eles podem ser:

 

Estático: essa forma poderá ser utilizada para realizar diversas transações, como em uma transferência entre duas pessoas, ou

Dinâmico: já esse tipo será voltado mais para pagamento de compras, visto que serão apresentadas informações diferentes a cada transação.

 

Esse modelo do QR Code para pagamento no comércio já vem sendo utilizado por meio do aplicativo da Caixa TEM. As pessoas vêm usando essa maneira para pagar as compras por meio do crédito do auxílio emergencial disponibilizado pelo Governo Federal.

 

Adesão ao novo formato

 

O Banco Central já conta com mais de 980 instituições em processo de adesão ao novo PIX, porém apenas 34 delas com participação obrigatória e 946 facultativas.

Segue abaixo as categorias dos serviços que já estão no processo de aderir o PIX:

 

  • Sociedade de empréstimo entre pessoas ou de crédito direto (fintech);
  • Sociedade de crédito ao microempreendedor;
  • Financeiras;
  • Cooperativa de crédito;
  • Bancos múltiplos sem carteira comercial;
  • Banco de câmbio;
  • Bancos comerciais ou múltiplos com carteira comercial;
  • Associação de poupança e empréstimo;
  • Instituições de pagamento.

 

Conclusão

É possível enxergar um novo futuro para as transações bancárias a partir de novembro desse ano.

O novo sistema, a longo prazo, pode até colocar em cheque o uso dos famosos cartões de débito e crédito.

Outro ponto a ser comemorado é que com a adesão ao novo sistema Pix, e também será possível economizar papeis na hora do depósito, por exemplo.

Isso consequentemente vai gerar economia para bancos e instituições governamentais.

E você, será um dos adeptos ao novo sistema de transações bancárias PIX? Conta pra gente nos comentários. Caso ainda tenha ficado com dúvidas, ou precise organizar as suas finanças conte com a ajuda dos nossos especialistas da Daexe.

Author Details

Sou Ewerton Geniseli, jornalista apaixonado por contar histórias e buscar novos conhecimentos para transformá-lo em conteúdo de qualidade e fácil entendimento ao leitor.

Tenho 27 anos e sou formado pela Universidade Anhembi Morumbi. Acredito que uma comunicação feita de forma mais humanizada pode ser um grande diferencial no mundo.

Deixe seu comentário:
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *