Organize sua empresa em 7 dias

eBook Repensando o Planejamento Estratégico

Linha de crédito - Empréstimo - Financiamento

Por qual linha de crédito optar: empréstimo ou financiamento?

Quando precisamos comprar algo que não temos condições de pagar à vista, a alternativa que logo vem na cabeça é pedir um financiamento ou empréstimo.

Porém o difícil é tomar a decisão para saber qual dos dois é a melhor alternativa para você e por qual linha de crédito optar.

Antes de tudo, é importante saber que essa decisão deve levar em consideração que as parcelas não podem comprometer mais que 30% do seu salário.

Linha de crédito - Empréstimo - Financiamento

Precisa de uma solução efetiva e profissional para a gestão da sua empresa? Agende uma ligação com um assessor e descubra tudo que a Daexe pode fazer por você!

Saiba no que ficar de olho ao optar por uma linha de crédito

Não existe uma regra, ou uma dica de ouro. A sua necessidade, objetivo e planejamento precisa ser levado em conta. Mas existem dicas importantes.

Abaixo elencamos alguns itens que te ajudarão a decidir entre empréstimo ou financiamento.

 

 

1. Taxa de Juros

 

A taxa de juros sempre é uma das grandes vilãs, tanto do empréstimo quanto do financiamento. Por isso é muito importante você ter conhecimento de qual a taxa oferecida pela instituição financeira e pesquisar muito antes de fechar negócio.

Ainda quanto aos juros, existe o CET (Custo Efetivo Total do Empréstimo), que inclui todas as taxas que serão pagas, ou seja, os juros reais.

Esse é um ponto muito importante para se atentar e vale tanto para o financiamento quanto para o empréstimo.

Normalmente, a taxa de juros do empréstimo costuma ser mais alta do que no financiamento. Isso porque o risco de inadimplência do empréstimo é maior.

Já no caso do não pagamento do financiamento, a instituição financeira pode solicitar a busca, apreensão ou penhora do bem financiado, ou seja, tem uma garantia.

 

 

2. Liberação de crédito

 

Outro ponto para levar em consideração na hora de escolher é saber se o limite aprovado atenderá suas respectivas necessidades.

No caso do empréstimo pessoal, na maioria das vezes já existe um limite pré-aprovado na conta bancária. Em alguns casos é necessário verificar a possibilidade de liberação com o gerente da instituição financeira.

Quanto aos empréstimos, normalmente não é necessário declarar para que fim irá usar o dinheiro, o que é vantajoso dependendo do objetivo da pessoa.

Já o financiamento é um pouco mais burocrático, visto que é necessário destinar o valor para um bem, por exemplo, um imóvel ou veículo.

O lado positivo é que normalmente o limite a ser liberado costuma ser maior do que no empréstimo pessoal. Isso tudo varia conforme o perfil de cada cliente e os seus hábitos financeiros.

 

 

3. Prazo para pagamento

 

Esse é um ponto muito importante a ser analisado no comparativo entre empréstimo e financiamento e varia conforme cada instituição financeira.

Normalmente, o prazo de pagamento do empréstimo costuma ser de até 72 meses, já no caso de financiamento, pode chegar a 30 anos.

Dependendo do valor isso fará uma grande diferença no valor das parcelas e consequentemente no seu orçamento.

 

4. Inadimplência

 

Dando sequência ao comparativo entre os limites de crédito, caso você tenha algum imprevisto e não consiga continuar pagando seu empréstimo não perderá o bem.

O que pode acontecer em casos como esse é seu nome ser negativado nos programas como SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) e Serasa.

Já no financiamento, o imóvel está alienado ao banco e em caso de não pagamento eles poderão solicitar o bem. Isso porque o financiamento, mesmo tendo taxas de juros mais baratas, tem o bem como garantia de pagamento em caso de inadimplência.

Essa busca costuma acontecer quando não são pagas três parcelas consecutivas do financiamento ou mais.

 

 

5. Leia o contrato

 

Sabe aquela história de letras miúdas? Pois é, elas são muito importantes e você precisa ter muita atenção antes de assinar o contrato.

Todos os detalhes do financiamento ou empréstimo estarão descritos nele e ao assinar você concorda com os termos ali descritos.

Portanto, todo cuidado é pouco na hora de fechar negócio.

 

Financiamento ou empréstimo?

O financiamento é possível de ser solicitado em uma instituição financeira e você passará por uma avaliação para saber quanto pode ser liberado de crédito.

Depois disso é só assumir as parcelas e ter direito ao seu bem. Ao final do pagamento o terreno, imóvel, veículo, entre outros bens deixarão de ser alienados ao banco.

Já o empréstimo conta com várias possibilidades de solicitação por diversos públicos:

Empréstimo Pessoal

Essa é uma das modalidades de empréstimo mais conhecidas do mercado. Nele é possível solicitar um valor pré-determinado pelo banco e ter acesso sem precisar comprovar para que fim será o dinheiro.

 

Empréstimo Consignado

Esse tipo de empréstimo é voltado para aposentados, pensionistas e servidores públicos ou trabalhadores de empresas privadas conveniadas.

Costuma ser muito atrativo por causa da sua taxa de juros baixa, porém o valor do empréstimo é descontado na folha de pagamento.

 

Empréstimo no rotativo

As pessoas costumam fugir dessa modalidade de empréstimo, mas é uma alternativa para quem busca dinheiro rápido e fácil. Porém, quanto mais fácil é de se conseguir o valor necessário, maior é sua taxa de juros.

 

Empréstimo com garantia

Essa modalidade vem crescendo no Brasil e se destacando nos últimos anos. O empréstimo com garantia permite você dar um bem como garantia de pagamento para ter acesso ao crédito.

Para conseguir o empréstimo vale dar como garantia imóvel, veículo e até celular, por exemplo.

Essa forma de empréstimo costuma contar com taxa de juros baixas devido a garantia de pagamento.

 

Conclusão

Agora ficou mais fácil escolher por qual linha de crédito optar e qual é a melhor opção para você, se é o empréstimo ou financiamento.

Conta pra gente nos comentários qual você vai escolher? Qual tem mais relação com suas necessidades hoje?

Caso ainda tenha dúvidas, a Daexe conta com uma equipe de assessores que estão prontos para te ouvir e auxiliá-lo a tomar a melhor decisão.

Não tenha dúvidas que ao solicitar um empréstimo ou fazer um financiamento, se for de forma consciente, você dará um passo muito importante nos seus sonhos.

A cautela e o planejamento financeiro devem sempre ser seu aliado, para evitar que você dê um passo maior do que é possível naquele determinado momento.

Outro ponto importante, além do planejamento financeiro é que uma boa organização será crucial para você alcançar seus objetivos.

Não sabe como se organizar financeiramente? Um Assessor Daexe pode te ajudar. Agende sua reunião.

5 problemas que afetam o crescimento empresarial

5 problemas que afetam o crescimento empresarial

O começo de um novo ano sempre reserva muitas reflexões e questionamentos sobre o futuro. Em meio a rápidas transformações, manter um crescimento empresarial é um dos desafios que tirar o sono de muitos gestores. 

Ainda assim, uma forma de controlar essa situação é começar a olhar para dentro da sua empresa e avaliar quais os possíveis problemas que estão atrasando o crescimento empresarial. A partir disso, será possível pensar em novas formas de melhorias para o futuro. 

Pensando nisso, listamos abaixo cinco problemas muito comuns que afetam o crescimento empresarial para você refletir e começar 2020 evoluindo sua gestão!

1. Baixa produtividade

 

Inegavelmente, a baixa produtividade é um dos grandes dilemas de qualquer empresa. Seus impactos negativos são grandes, podendo afetar desde o faturamento até o bem-estar dos profissionais. 

Porém, nem sempre é fácil entender os motivos do problema. Dependendo do setor da sua empresa, ela podem ter diversas causas, como por exemplo:

  • desmotivação da equipe; 
  • falta de foco;
  • talentos mal desenvolvidos;
  • processos difíceis;
  • organização interna; 
  • falhas de comunicação. 

Mas uma coisa é certa, empresas que possuem baixa produtividade tendem a crescer menos. Afinal, se a produtividade pode ser definida como a capacidade de fazer mais em menos tempo com os recursos disponíveis, se não estamos sendo produtivos, a capacidade em atender o mercado de uma empresa acaba sendo reduzida. E nem precisamos falar que, com isso, as vendas e o crescimento diminuem junto! 

Em resumo, se a sua empresa não está crescendo, é importante dar uma investigada nos índices de produtividade de todos os setores envolvidos. Tente entender os possíveis motivos desta queda para propor soluções práticas e trazer melhorias para a rotina da sua empresa e voltar a crescer! 

2. Ausência de planejamento estratégico

 

Como anda o planejamento estratégico da sua empresa? Se você não sabe nem responder, acredite, temos um problema sério! Afinal, o planejamento estratégico é um processo que tem como objetivo traçar um plano de ações para que uma empresa atinja seus objetivos.

Ou seja, se você não está planejando, dificilmente está alcançando seus objetivos. A ausência do planejamento nas empresas faz com que o trabalho seja feito de forma reativa, sem um foco a seguir. Isso representa um problema grave ao crescimento empresarial!

Empresas que planejam possuem um conhecimento maior sobre suas necessidades, sobre seu propósito no mercado e na sociedade e sobre onde quer chegar. Quando elas deixam de lado essa parte importante da gestão, acabam não priorizando as ações que podem gerar o crescimento desejado. 

Por isso, se sua empresa ainda não planeja, não perca tempo! E caso já tenha esboçado ele em algum momento, lembre-se: mais importante do que planejar, é executar as ações que foram planejadas. Só assim elas se tornarão realidade e trarão impactos positivos. 

Quer ajuda para construir o planejamento estratégico da sua empresa? Converse com um Assessor Daexe e atinja a excelência administrativa!

3. Má gestão financeira

 

Falar de gestão financeira é um assunto delicado, porém muito necessário! Ter o controle total de tudo que entra e sai da sua empresa, dos investimentos, faturamento e lucros, é fundamental para garantir a saúde dos negócios. 

Isto é, para que o crescimento aconteça, investimentos são necessários. E se você não sabe quanto tempo, não sabe o quanto pode investir! Lançar um novo produto, iniciar um novo setor interno, investir em mídia, construir uma nova sede, tudo isso demanda de investimentos. 

Entendeu por que é tão importante ter uma gestão financeiro na sua empresa? Sem contar que, com um controle de caixa seguro, fica muito mais fácil enfrentar possíveis crises e lidar com as adversidades sem sentir tanto os efeitos negativos. 

pessoa analisando gráfico financeiros

4. Processos burocráticos demais

 

Sabe quando você possui algum problema pessoal com uma empresa e passa horas e horas tentando resolver? Bom, isso acontece por causa de processos internos muito burocráticos. E da mesma forma que eles podem atrapalhar a sua vida, quando existentes dentro da sua empresa, podem atrapalhar a vida dos seus clientes e impactar negativamente na imagem da sua marca no mercado. 

Além disso, processos internos muito burocráticos e cheios de etapas minam a motivação dos seus colaboradores, tornando qualquer projeto muito trabalhoso. Sem contar no impacto que isso tem na produtividade empresarial, na qualidade das entregas e no impacto no faturamento. 

Por isso, se você deseja que sua empresa cresça, revise e simplifique seus processos. Temos certeza que muitas ações internas passam por etapas que são desnecessárias e acredite, quanto mais antigos forem os processos, maiores as chances de oportunidades de melhorias. 

Os impactos dessa mudança irão refletir no aumento da produtividade, melhor aproveitamento do tempo dos seus colaboradores, melhor qualidade de entrega e consequentemente num crescimento maior.

5. Falta de liderança 

 

Por fim, um fator que pode impedir sua empresa de crescer é a falta de liderança estratégica. Imagine todas essas mudanças e sugestões que listamos ao longo do artigo sendo implantadas na sua empresa… Consegue imaginar as pessoas colocando-as em prática por conta própria? Seria um caos! 

A liderança estratégica é importante para que sua empresa tenha um time de líderes que irão promover as mudanças necessárias para fomentar o crescimento. Eles irão engajar seus colaboradores, reforçar o propósito da empresa sempre que necessário e o mais importante: manter todos no caminho certo. 

Sem eles, seu colaboradores tendem a se sentirem perdidos, trabalhando de forma aleatória e quando se sentirem desmotivados, não terão aquela figura inspiradora capaz de engajar a todos. Por isso, se você quer que sua empresa cresça, encontre os líderes dentro dela e invista neles. 

Mesa vazia sem líder

Depois de conhecer alguns dos problemas que afetam o crescimento das empresas, você consegue perceber quais melhorias podem ser feitas no seu negócio para impulsionar o crescimento? 

A partir de agora, analise seus processos de forma consciente e proponha as melhorias necessárias para crescer a cada dia. Se precisar de auxílio nessa jornada, converse com um Assessor Daexe aqui.

brainstorming

Brainstorming na minha empresa como fazer?

Você conhece a técnica do Brainstorming? E entende a sua importância?

Toda empresa necessita de ideias novas e criativas no seu dia a dia independente da área que atua. Dessa forma, fazer reuniões para buscar reunir ideias é essencial, por isso elaboramos este artigo para te ajudar a organizar o Brainstorming e entender porque é importante.

O que é Brainstorming?

O Brainstorming também conhecido por chuva ou tempestade de ideias é uma técnica utilizada para propor ideias ou soluções. Em geral é uma reunião de atividade feita em grupo com o objetivo de explorar a criatividade em equipe. Os quais os participantes tem total liberdade de debater sugestões e sem julgamento de estar certo ou errado.

Sendo assim, o objetivo é partir para associação e análise dessas ideias e chegar a uma solução original para o problema em questão.

Leia também:Como fazer revisão de um planejamento estratégico

Princípios 

Primeiramente é não julgar ideias imediatamente, ou seja, neste momento da reunião inicialmente todas as ideias são iguais. É o momento apenas de geração e interação para encontrar uma solução boa, inovadora e/ou criativa.

Outro ponto se trata da criatividade em quantidade e qualidade, porque disso? Quanto mais ideias forem geradas, mais provável que se encontre uma boa.

Além disso, a vantagem das associações se desenvolve quando se consideram muitas delas. Uma ideia pode levar a outra. Ideias más podem levar a boas ideias. E acima de tudo, não se consegue pensar num problema enquanto não houver algumas respostas.

Sugestões 

Antes de mais nada, algo que no Brainstorming que deve ser completamente descartado são as críticas negativas. Lembre-se que toda ideia é bem-vinda, mesmo que ache tão boa, mas em algum momento ela pode vim a ser importante por meio da associação com outra ideia.

Desse modo, encoraja os participantes a sugerir qualquer ideia que lhe venha à mente, sem preconceitos e sem medo que isso o vá avaliar imediatamente. Pois, acredite ou não as soluções mais desejáveis são aquelas que inicialmente parecem ser muito longe do que poderá resolver o problema. É necessário deixar as inibições para trás enquanto a criatividade venha surgir.

Quantidade, nesse caso, gera qualidade. Sim, já que quanto mais ideias forem geradas, mais hipóteses serão criadas e há de encontrar uma solução ideal. Dessa forma, entende-se que quantidade é necessário.

Combinação e aperfeiçoamento é essencial. Com isso, o objetivo desta regra é o encorajamento a geração de ideias adicionais para a construção e reconstrução sobre as ideias já existentes.

Passo a Passo como Fazer o Brainstorming

Conhecimento – Deve haver total familiaridade com os fatos, com a situação e as mais recentes informações sobre o assunto. Faça perguntas e mais perguntas. A respostas pode vir de pesquisas, clientes, mercado. Nesta fase, não omita opiniões nem se deixe envolver por elas.

Seleção – Logo após todas as ideias reunidas é preciso selecionar algumas. Neste momento por exemplo, pode-se descartar ideias duplicadas. Sendo assim, quando for descartando explique o motivo de forma gentil e dê a oportunidade do criador falar, caso ele queira.

Definição – É preciso definir os objetivos a serem alcançados. Mostre a todos do grupo quais ideias se destacaram e explique exatamente o porquê estas são as escolhidas. Será o momento de aprofundar um pouco mais nestas ideias escolhidas. Não é necessário manter toda a equipe para participar deste momento. Assim, duas ou três pessoas podem ser o suficiente.

Veja também:A importância da Ergonomia nas Empresas

Dicas para uma Reunião Produtiva

Primeiro de tudo, tenha um objetivo e certifique-se de que todos os participantes o conheçam. Pois, evita-se a perca de foco conforme as ideias forem surgindo.

Controle o tempo. É até recomendado colocar um relógio visível em algum lugar da sala para que todos os participantes saibam como está o andamento da reunião.

Crie um ambiente favorável. Com o objetivo de que as ideias fluam, sendo que o ideal é levar a sua equipe para um ambiente que estimule a criatividade. Como por exemplo, fazer as reuniões de Brainstorming fora do local de trabalho.

Evite os conflitos. Pontos de vista diferentes sempre acontece, então podem vir a conflitar e gerar situações mais tensas. Por isso, deve-se ter muito cuidado e evitar principalmente que elas se tornem brigas de egos. O brainstorming tem como objetivo ser algo construtivo e não gerar problemas nos relacionamentos interpessoais da sua equipe.

Tenha um líder. A reunião de brainstorming deve ter um responsável, que vai garantir que ela ocorra sem problemas e mantenha a organização, cuidando de cada ideia.

 

Gostou do nosso artigo? Realize o Brainstorming e compartilhe nos comentários suas experiências.

 

Rafaela de Souza Batista

Bacharela em Comunicação Social – Publicidade e Propaganda. Redatora e Produtora de Conteúdo para Web. Ama escrever e criar coisas novas. Uma estudiosa sobre o comportamento do consumidor e as novidades da área do marketing.

Planejamento-estratégico-com-BSC

Planejamento estratégico com BSC: saiba como implantar na sua empresa

O planejamento estratégico é fundamental para que uma empresa atinja seus objetivos e alcance o sucesso. Mas como determinar quais as metas mais importantes? Para isso, aliar o planejamento estratégico com o BSC pode auxiliar seu negócio.

Criado por dois professores de Harvard, o BSC é um método construído para medir o desempenho além do viés financeiro, passando por questões como processos internos, aprendizado e mercado. 

Dessa forma, com o planejamento estratégico com BSC é possível construir um plano de ação completo, que leve em conta todas as necessidades, oportunidades e desafios de uma empresa.

Neste artigo, vamos mostrar um passo a passo de como criar e executar um planejamento estratégico com BSC de forma prática. Você vai entender

  • o que é planejamento estratégico;
  • conceito do BSC;
  • como planejar com BSC; 

Continue a leitura para saber mais!

Entendendo o Planejamento Estratégico 

Muito se fala no ambiente empresarial sobre o planejamento estratégico, desde sua importância até sua suposta complexidade. A verdade é que o planejamento estratégico nada mais é do que um processo, que busca analisar e traçar um plano de ações para atingir um objetivo

Inegavelmente, é um processo fundamental para qualquer empresa. Afinal, todo negócio deseja chegar a algum lugar, não é mesmo? Seja uma PME ou grandes corporações, os objetivos são um fator em comum em qualquer organização

Em resumo, o planejamento estratégico começa com uma análise do cenário atual da empresa, identificando possíveis pontos de melhoria desde o modelo de negócio até sua atuação no mercado. 

Equipe planejamento estratégicamente

A partir disso, são determinados os principais objetivos a serem alcançados para solucionar esses desafios. Define-se também indicadores de sucesso, processos internos e os principais projetos a serem executados. 

Em seguida, é só colocar tudo em prática! Mas claro, sem deixar de lado o acompanhamento constante das metas e resultados, já que a execução é o principal problema do planejamento estratégico. 

Por mais que exista um mito sobre a complexidade do planejamento estratégico, a falta de execução é sim o grande vilão. Manter a equipe motivada e engajada na busca pelo sucesso não é fácil, mas recompensa. 

Como resultado, os benefícios do planejamento estratégico são inúmeros:

  • assertividade nas ações; 
  • ganho de produtividade;
  • maior controle de resultados;
  • foco em um grande objetivo;
  • melhoria da comunicação entre equipes;
  • organização dos processos internos;
  • previsibilidade de crescimento. 

Por fim, quando aliado a métodos de gestão como o BSC se torna uma ferramenta ainda mais poderosa para impulsionar o crescimento de um negócio. 

Leia também: Baixe agora nosso e-book gratuito (Re)pensando o seu Planejamento estratégico

Conceituando Balanced Scorecard

Balanced Scorecard, ou BSC, em tradução literal do inglês significa Indicadores Balanceados de Desempenho, é nada mais é do que um método de gestão estratégica para empresas

Embora o aspecto financeiro de uma empresa seja de grande importância, os criadores do BSC, os professores de Harvard Robert Kaplan e David Norton, acreditavam que os indicadores de desempenho não deviam se limitar a questões econômicas e que, o conhecimento de outras áreas traria mais assertividades à gestão empresarial

Em outras palavras, eles acreditavam que o funcionamento de uma empresa ia muito além dos dígitos acumulados ao final de cada mês. Essa necessidade foi o que os motivou a criar uma nova forma de mensurar o desempenho de forma completa. 

Por isso, o BSC é baseado em perspectivas, sendo elas: perspectiva financeira, perspectivas do mercado, perspectiva de processos internos e perspectiva de aprendizado. Para que uma empresa possa entender qual sua situação em cada uma dela, deve responder às seguintes perguntas: 

  • Para atender às necessidades dos nossos acionistas, quais objetivos financeiros devemos seguir? (Perspectiva Financeira) 
  • Para atingir nossos objetivos financeiros, que necessidades de nossos clientes devemos atender? (Perspectiva do Mercado)
  • Para satisfazer nossos clientes e acionistas, em quais processos internos devemos ser excelentes? (Perspectiva de Processos Internos)
  • Para atingir nossas metas, como nossa organização deve aprender e inovar? (Perspectiva de Aprendizado)

Matriz BSC

Em resumo, o BSC ajuda as empresas a entenderem como aumentar o faturamento, atendendo às necessidades de clientes e do mercado. Mostrando também, que isso só é possível com investimentos em inovação e melhorias nos processos internos

A partir disso, todas as necessidades apontadas por essas perguntas devem ser transformadas em ação. Ou seja, é aí que entra o planejamento estratégico! Ao aliar processo com metodologia, encontramos o chave do BSC: entender quais são os objetivos estratégicos dentro de quatro perspectivas amplas e definir planos de ação para alcançar os melhores resultados. 

Por fim, é importante ressaltar que para cada perspectiva do BSC deve-se ter no mínimo 1 e no máximo 3 objetivos estratégicos, com exceção da Perspectiva de Processos Internos que pode ter até 5 objetivos. Além disso, para cada objetivo estratégico deve-se definir entre 1 a 3 indicadores de desempenho. Todos esses aspectos serão inseridos no Mapa Estratégico, da qual falaremos mais adiante.

Agora que você já compreendeu os conceitos de planejamento estratégico e BSC é hora de aprender como unir tudo isso na prática! 

Como implantar o planejamento estratégico com BSC

O planejamento estratégico com BSC torna o processo ainda mais completo, ao trazer as quatro perspectivas do método de gestão. Aliando ambos, evita-se que o planejamento foque em um ou outro setor específico, negligenciando aspectos fundamentais para o sucesso do seu negócio. 

Por isso, vamos adentrar agora em um passo e passo de como fazer planejamento estratégico com BSC. Confira! 

1. Canvas Modelo de Negócio

 

O Canvas Modelo de Negócio é uma ferramenta que permite construir ou esboçar modelos de negócios novos ou que já estão no mercado. Por ser visual, ele permite desenhar de forma clara, acessível e colaborativa o modelo de negócio de uma empresa. 

Mesmo que sua empresa já esteja no mercado há anos, o Canvas é uma oportunidade de rever o modelo de negócio que foi definido anteriormente e se há ajustes necessários a serem feitos. Caso sua empresa seja nova, ele é a fundamental para que a entrada no mercado seja feita de forma consciente e estratégica. 

Com o intuito de abranger os principais fatores relevantes para a criação de um negócio, o Canvas analisa: 

  • Parcerias chave: quais são os parceiros terceirizados que ajudam sua empresa a entregar valor ao mercado;
  • Atividades chave: quais as principais atividades que irão fazer com que sua empresa funcione da melhor forma;
  • Recursos chave: quais são os ativos necessários para fazer com que o seu negócio funcione da melhor forma;
  • Proposta de valor: quais os benefícios mais valiosos que o seu produto vai entregar ao consumidor final; 
  • Relacionamento: quais estratégias serão utilizadas para criar uma conexão com o consumidor e fidelizá-lo;
  • Canais: quais canais de promoção, comunicação e distribuição serão usados para se relacionar com o cliente;
  • Segmento de clientes: definição de qual nicho de clientes sua empresa vai atuar e atender com suas soluções; 
  • Estrutura de custos: quais os principais gastos do negócio que impactam diretamente no financeiro; 
  • Fontes de receita: como o cliente irá pagar pelo seu serviço/produto.

Canvas Modelo de Negócio

Aos definir esses principais fatores, o modelo de negócio da sua empresa está pronto para ser usado ao longo do planejamento estratégico com BSC, sem deixar de lado nenhuma informação crucial.

→ Clique aqui e baixe o Canvas Modelo de Negócio exclusivo Daexe! 

2. Análise SWOT

 

Entendendo o Modelo de Negócio da sua empresa, é hora de fazer uma boa análise de cenário. Para isso, utilizamos a Análise SWOT, uma ferramenta estratégica muito usada para analisar forças, fraquezas, ameaças e oportunidades que o seu negócio enfrenta

Dividida em quadrantes, a SWOT analisa o ambiente interno, que são aqueles fatores que estão sob controle da empresa, como tecnologia, equipamentos, colaboradores, cultura interna, entre outros. 

Além disso, a ferramenta também analisa o ambiente externo, que são aspectos que a empresa não tem controle. Como por exemplo, desastres naturais, novas leis, crises, taxas e juros, embargos, etc. 

Nesse sentido, a SWOT é composta por:

  • Forças: o que sua empresa tem de melhor, características que se destacam da concorrência, áreas em que é referência;
  • Fraquezas: quais aspectos da sua empresa podem melhorar, as deficiências identificadas, o que pode ser criado de novo;
  • Ameaças: quais fatores externos podem desestabilizar sua empresa e afetar seu crescimento;
  • Oportunidades: quais oportunidades o mercado oferece ao seu negócio.

Matriz SWOT

Não apenas sua empresa irá saber como usar suas forças para blindar-se contra as ameaças e fraquezas, como também irá aproveitar as oportunidades que o mercado oferece para gerar crescimento.

Bem como as ações identificadas na SWOT podem ser utilizadas como objetivos estratégicos aplicados aos BSC do seu negócio. Mas sobre isso, falaremos mais para frente!

3. Missão, Visão e Valores

 

Todavia, definir modelos de negócios e analisar cenários não é o suficiente para ter sucesso. É preciso saber aonde se quer chegar no futuro e como deseja-se ser visto pelo mercado quando estiver no topo. 

Para isso, é necessário a definição da filosofia da empresa. Com certeza você já ouviu falar dela, que é composta por:

  • Missão: qual o principal objetivo da sua empresa, o que ela deseja levar ao mercado e aos seus consumidor; 
  • Visão: qual sua visão de futuro, onde deseja estar em um período pré-determinado;
  • Valores: quais serão os princípios que irão guiar esse caminho até o sucesso.

Só pra exemplificar, imagine uma empresa do ramo farmacêutico que quer tornar a vida das gestantes mais tranquila (missão). Para isso, ela está investindo em pesquisas para lançar uma linha de produtos que amenizam os sintomas da gravidez. Sua meta é ter essa linha de produtos completa até 2021 (visão).

Da mesma forma, a empresa entende que precisa trabalhar de forma transparente, com todo o cuidado, segurança e afeto possível para construir um relacionamento com suas clientes nesse período (valores). 

Percebeu como dessa forma, o propósito de um negócio é muito mais claro e valioso? Quando uma empresa tem sua filosofia definida, ela consegue transmitir isso a seus colaboradores, parceiros e clientes, construindo relacionamentos sólidos e duradouros. 

Além disso, quaisquer objetivos estratégicos definidos daqui pra frente se tornam mais significativos, trazendo mais bem-estar aos colaboradores, que entendem a real importância do seu trabalho. 

4. Mapa Estratégico

 

Agora que você que tem em mãos um modelo de negócios, uma análise cenários e a filosofia empresarial, vamos voltar ao BSC para construir um mapa estratégico com os principais objetivos da sua empresa. 

O Mapa Estratégico é uma espécie de quadro resumo, que traz os principais objetivos estratégicos da empresa, divididos entre as quatro perspectivas do BSC que vimos lá no início. Confira abaixo um exemplo!

Modelo de Mapa Estratégico com BSC

Mas é importante lembrar que, todas as etapas anteriores devem ser levadas em consideração na hora de construir seu mapa estratégico. É preciso que seus objetivos façam sentido com seu modelo de negócio, estejam adequadas ao cenário atual da empresa identificado na SWOT e sejam executados de acordo com a sua filosofia

Em resumo, podemos comparar o mapa estratégico com uma árvore, onde em uma relação de causa e efeito, as inovações e pessoas são as sementes de uma empresa. Os processos internos são o tronco da árvore, dando sustentação. Já os clientes e o mercado são os ramos e as folhas, e por fim, os frutos são as receitas financeiras e o valor patrimonial do negócio.

5. Indicadores de Desempenho

 

Depois que os principais objetivos da sua empresa forem definidos em um Mapa Estratégico, é a hora de definir quais indicadores de desempenho irão ser utilizados para mensurar os resultados

Os KPIs, como os indicadores de desempenho são popularmente conhecidos, são uma forma de mensurar se um projeto ou conjunto de ações obteve o resultado esperado. Eles costumam ser um combinação de métricas e podem ser apresentados em número ou percentual

Relatórios de KPIs de uma empresa

Mas lembre-se, que de acordo com os criadores do BSC, o desempenho deve ser medido em diferentes áreas, por isso os KPIs devem estar relacionados com cada uma das perspectivas do método. 

Em suma, os indicadores de desempenho são fundamentais para analisar de forma tangível o quanto sua empresa está caminhando em direção aos objetivos definidos. Além disso, eles podem ajudar a detectar possíveis erros nos processos para que a correção seja feita antes de ser tarde demais. 

6. Metas

 

Logo após a definição dos KPIs, vem a definição das metas. Aqui, os objetivos estratégicos definidos de acordo com as perspectivas do BSC são detalhados ao máximo, para que cada responsável saiba o que é preciso ser feito para alcançar o objetivo global

Por exemplo, se na Perspectiva de Aprendizado, o objetivo é qualificar a equipe de vendas, é preciso definir um número específico de cursos ou eventos que a mesma deve participar. Ou se na Perspectiva de Mercado, deseja-se lançar um novo produto, é preciso definir um cronograma desde a pré-produção até o lançamento. 

Essas metas ajudam a analisar o desempenho das ações planejadas, e contribuem também para que as equipes percebam que seu trabalho está sendo feito e dando resultado, dia após dia, não apenas no fim da ação. 

7. Projetos e Processos

 

Sem dúvida, agora é a hora colocar tudo o que foi planejado em prática. Para isso, precisamos entender o que são processos e projetos e como eles afetam o planejamento estratégico

Em primeiro lugar, processos são uma sequência de atividades que devem ser realizadas para completar uma ação. Ele se repete e tem como objetivo gerar sempre o mesmo resultado. Um exemplo é o processo de vendas. 

Já projetos são ações que acontecem em um determinado período, com o objetivo de alcançar um resultado específico. Possuem início, meio e fim determinados. O lançamento de um produto novo, é um exemplo de projeto. 

Equipe analisando processos

Nesse sentido, é preciso definir quais os processos e projetos que envolvem o planejamento estratégico da sua empresa. Quais ações serão realizadas periodicamente e quais projetos serão pontuais, tudo visando alcançar os objetivos estratégicos principais. 

No entanto, vale ressaltar que suas definições são importantes para manter a equipe no caminho certo. Quando se saber qual o objetivo final e quais ações são necessárias, perde-se menos tempo com atividades sem prioridade alguma, que acabam apenas atrapalhando a rotina empresarial. 

Por fim, é importante que cada colaborador dentro da empresa tenha consciência de seus processos e projetos para que contribua de forma organizada com os objetivos da empresa.

8. Definição do organograma 

Quando todos os processos e projetos estiverem alinhados, é hora de definir os responsáveis por cada ação. Como o planejamento estratégico com BSC envolve diversos setores de uma empresa, é importante reunir todos para uma apresentação do plano e definição de prazos e atribuições.

Dessa forma, a criação de um organograma facilita a organização interna das equipes, além da comunicação e do acompanhamento dos resultados. Quando se tem um responsável, fica mais fácil delegar tarefas e acompanhar a execução com uma única pessoa.

9. Orçamento Estratégico

De fato, o planejamento estratégico precisa ser sustentado pelo orçamento financeiro da empresa. Afinal, qualquer ação requer investimento, seja em qualificação dos colaboradores, em novos produtos, comunicação, entre outros. 

Por isso, todas as ações devem ser avaliadas do ponto de vista financeiro, para serem então validadas junto à capacidade de capital da empresa. Tanto é que, dentro do Mapa Estratégico do BSC, a Perspectiva Financeira vem primeiro, reforçando sua importância. 

Liste todos os recursos e investimentos necessários junto ao setor financeiro para que o seu planejamento estratégico não siga um caminho fora da realidade e se torne apenas um plano, sem ação. 

10. Reconhecimento

 

Ainda que o planejamento estratégico com BSC tenha o auxílio de diferenças ferramentas e método, nada disso sairá do papel se não houver o engajamento dos colaboradores da empresa

Como resultado de todo esforço e dedicação, é importante que a empresa pense em uma política de recompensa para seus funcionários. Podem ser modelos como PPR ou PLR, mas o essencial é que todos se sintam reconhecidos. 

Em contrapartida, essas ações de reconhecimento irão criar uma sensação de pertencimento em todos, motivando-os e estimulando o bem-estar. E como já se sabe, a motivação é um fator crucial para aumentar a produtividade. Ou seja, empresa e colaboradores saem ganhando. 

Líder parabenizando colaboradora pelo seu trabalho

A importância do planejamento estratégico com BSC

 

Ao longo deste guia, apresentamos a você um passo a passo completo de como implantar o planejamento estratégico com BSC na sua empresa. Os benefícios são inúmeros e refletem em todos os setores da sua empresa. 

Não apenas os aspectos financeiros são levados em conta quando planejamos com BSC, mas toda a organização é beneficiada por um plano de ações coerente que entende as necessidades da empresa de forma completa. Por isso, a combinação de planejamento estratégico com BSC é tão eficiente. 

Todos os consultores Daexe utilizam essa combinação para construir o planejamento estratégico da sua empresa durante nosso trabalho de assessoria empresarial. Quer conversar com um de nossos consultores e começar a transformar o seu negócio? Clique no banner abaixo e agende sua reunião gratuita! 

Reunião gratuita com consultor Daexe

Plano de Marketing Digital Porque é Importante e como Elaborar

Já não é novidade que o planejamento é algo extremamente importante para o âmbito dos negócios. Além de ajudar a organizar, definir objetivos e metas, também contribui para evitar e minimizar riscos na execução de um projeto.

Desse modo, nas ações de marketing digital não seria diferente. Por isso, este artigo irá explicar a importância de um plano de marketing digital e a sua execução.

O que é um Plano de Marketing Digital?

Antes de tudo sabes o que é exatamente um plano de marketing digital?

Então, ele é um desdobramento do planejamento estratégico da empresa composto por objetivos, metas e ações. Voltadas para comunicação entre a empresa e o seu público alvo nos meios online. Esse planejamento pode ser de curto, médio ou a longo prazo.

Sendo mais específicos o marketing digital serve para:

  • Elevar a consciência da marca e sua autoridade junto ao mercado.
  • Atrair novos clientes, fidelizar os atuais e recuperar os antigos.
  • Aumentar as vendas, o faturamento e a lucratividade do negócio.
  • Divulgar ou apresentar produtos e serviços novos.

Leia Também: 4 estratégias de marketing atuais que sua empresa deve fazer

Quem deve Utilizar do Marketing Digital? E como Fazer?

O marketing digital é uma atividade crucialmente importante para qualquer empresa, certamente já ouviste falar que propaganda é a alma do negócio, certo. Por esse motivo recomendamos que todas as empresas devem separar uma verba mensal para investir no marketing digital.  Tendo consciência que no marketing não existe fórmula de bolo, mas sim ingredientes.

Contudo, às vezes poderá ter a sensação que estas jogando dinheiro fora, porque os resultados normalmente demoram aparecer. É aí que está o segredo do marketing digital, a persistência, consistência e paciência.

Sendo que no ambiente digital não há necessidade de investir enormes quantias, além de poder mensurar de forma fácil e exata o resultado do investimento. Dependendo de o resultado diminuir, mudar de estratégia ou aumentar o investimento.

Assim também, com a inovação tecnológica que vem acontecendo, o ambiente online apresenta maior potencial para os estrategistas de marketing digital.  A criação e execução de um plano de marketing digital é o ideal para se tornar uma referência no seu setor.

São diversos canais que podem ser utilizados como por exemplo, redes socias, blog, site, email marketing, links patrocinados, youtube, chats, entre outros. Em uma estratégia você pode utilizar vários canais, pois cada um irá agregar nas ações de diferentes formas. Podendo até mesmo transmitir a mesma mensagem em canais diferentes para impactar diversos públicos.

Vantagens de um plano de marketing digital

  • Ajuda a escolher os melhores meios de comunicação para cada público.
  • Possibilita promover ações mais eficazes, com melhores resultados e menores custos.
  • Permite tomar decisões antecipadas.
  • Gera resultados a curto, médio ou longo prazo.
  • Torna mais fácil definir  as métricas para análise dos resultados.
  • Melhora a compreensão do share do mercado da empresa.

Veja Também: Entenda o que é e como funciona a estratégia Account – Based Marketing

Passo a Passo para Criação do Plano                        

Para que entenda melhor como fazer um plano de marketing digital, acompanhe este passo a passo. Ele é ideal para implementação do plano na sua empresa.

 1 – Defina e conheça seu público alvo

Primeiramente, é importantíssimo conhecer muito bem seu público alvo, já que a comunicação será destinada para eles. Logo deve-se estudar e pesquisar quem é o seu público, onde ele está, seus desejos, necessidades, influências, motivações, dentre outros. Procure por todas as informações possíveis, porque o plano precisa ter o enfoque certo, para que possa atingir o seu público ideal.

2 – Análise Swot 

Faça uma análise dos ambientes externos e internos da empresa. Verifique quais são suas forças e fraquezas, as suas oportunidades e as ameaças. Trata-se de fazer uma auditoria abrangente que ajuda a identificar os fatores que estão afetando o desempenho da empresa.

3 – Defina objetivos e Métricas

Estabeleça objetivos claros que consiga alcançar. Lembre-se que o objetivo deve ser pautado para trazer melhorias. O que você quer na sua empresa ? O que os clientes procuram ? Faça algumas perguntas e entenda o que precisa ser respondido nesse plano.

As métricas irão avaliar como cada ação está sendo realizada e se está alcançando ou não os objetivos definidos.

4 – Defina os canais 

Com a vasta opções de divulgação, defina qual melhor se encaixa na sua estratégia. Se precisar usar vários como já foi falado não tem problema. Mas não jogue as ações lá e deixe, faça o monitoramento de todas as campanhas realizadas.

 5 – Elabore um cronograma de ações 

O cronograma irá ajudar para que as ações sejam realizadas dentro de um prazo estabelecido e que nenhuma possa se perder. Dessa forma, mantém a organização analisando também o que deve ser feito primeiro, quais são as tarefas mais importantes, etc.

6 – Orçamento 

Faça o orçamento, veja no que, como e para que o dinheiro será investido. Entenda o que está te dando retorno e também o que não está.

7 – Monitoramento 

Faça a monitoração de todas as ações que estão no plano e que devem ser executadas. Acompanhando o antes, o durante e o depois.

Cases de sucesso

Viva Oftalmologia

A Viva Oftalmologia é uma clínica com uma estrutura montada para atender a necessidade de pacientes que buscam o cuidado com a saúde visual e também com a saúde ocular.

Precisando investir para divulgar a clínica, fez uma análise minuciosa de tudo o que poderia ser feito. Como o principal objetivo era divulgar uma técnica específica, tudo foi colocado na ponta do lápis para garantir o melhor ROI para o cliente.
Sendo assim, o resultado foi:

  • 328% de aumento nos visitantes do site;
  • Primeira posição no Google com a palavra-chave da técnica;
  • +55% de vendas no período pelo canal orgânico.
Dove: Retratos da Real Beleza

A campanha global da Unilever para a Dove mostra várias mulheres sendo retratadas por um desenhista forense, baseado nas descrições das próprias mulheres e de outras pessoas.

A campanha está entre as maiores audiências entre vídeos publicitários da história do YouTube. E, segundo o publicitário Paulo Castro, o segredo está na característica de enaltecer a beleza real, o que é emocional, e o direcionamento das campanhas para as redes sociais. Afinal, não dá para fazer uma peça de três, quatro minutos, para a TV.

Gostou do artigo ? Comente suas experiências, e se ainda não fez um plano de marketing digital da sua empresa, tente fazer, conte com a Daexe para realização do seu plano.

Os Diferentes Modelo de Organograma

Sua empresa já possui algum modelo de organograma?  Qual o tipo e porque escolheu esse?

Antes de tudo, existem diferentes modelos de organogramas e cada empresa pode escolher aquele que mais se adequar à sua realidade quanto a divisão de funções e cargos. Saiba que não existe um tipo certo ou errado e sim aquele que representa a realidade dos departamento e como eles estão divididos. Quer entender melhor? Leia este artigo e veja quais são esses organogramas e como cada um funciona.

 

Organograma Clássico ou Vertical

Geralmente este é o modelo de organograma mais conhecido, utilizado e tradicional para representar as posições hierárquicas dentro das empresas. Em seu formato possui as caixas de cargos distribuídos por grau de importância, do topo até a base. Nele são apresentadas informações relacionadas a hierarquias e suas funções, fluxo de comunicação entre os cargos e estrutura de atividades de cada setor.

A saber, as vantagens do vertical são de possibilitar maior clareza na hierarquia e na definição de funções, melhora a compreensão do fluxo de trabalho, contribui para plano de carreira, facilita a gestão e capacitação.

Modelo de organograma vertical

Organograma Horizontal

A diferença deste modelo para o vertical é justamente como as informações estão organizadas, porque segue o mesmo padrão mas de forma horizontal, como o próprio nome já diz. Os cargos mais importantes hierarquicamente falando, estão mais para a esquerda e conforme cresce para a direita vai se chegando aos cargos e áreas mais operacionais.

Sendo assim as vantagens de se fazer um organograma horizontal são agilidades na gestão, menos burocracia, ambiente informal, colaboradores engajados e mais focos em projetos.

Modelo de organograma horizontal

Leia também: A Importância de um Organograma Para as Empresas

Circular ou Radial

É um modelo de organograma considerado mais moderno, as informações setorizadas estão num gráfico circular, cada área, cargo e função são separadas por cores específicas. Sendo que os responsáveis ficam no centro e os demais ao redor.

A principal característica do circular não é relacionada a representar hierarquia. E sim, para quem deseja ressaltar o trabalho em equipe, a unicidade entre as divisões e proximidade das áreas. Dessa forma, se este é o objetivo da sua empresa esta com certeza é a melhor representação. Além disso, demonstra a capacidade decisória do líder, por isso ele fica no centro.

Modelo de organograma circular

Organograma Linear de Responsabilidade (ORL)

Já este, é o modelo de organograma que apresenta cada atividade de determinada área e identificando quem é o responsável por cada uma delas. O objetivo é demonstrar as relações entre as diversas atividades, como uma comunicação de linhas cruzadas.

Ou seja, o organograma linear tem uma função diferente dos outros, o qual é de organizar as tarefas e demonstrar a obrigação de cada um dos colaboradores.

Dessa forma, ele gera benefícios como facilitar e identificar de forma mais rápida as atribuições e responsabilidades de cada função. E ainda como é a interações entre as equipes e as respectivas atividades.

Modelo de organograma linear

Organograma Em Barras

Considerado um modelo de organograma menos popular entre as empresas, por meio dele cada coluna é elaborada dentro de um retângulo posicionado na vertical e conforme a hierarquia.  Quanto mais elevado for o nível hierárquico do cargo, maior será a barra a ele destinada.

Não costuma ser muito usado pelas empresas, pois não é possível fazer a ligação entre os cargos. Porém é considerado de fácil compreensão já que as informações são entrepostas de forma direta.

Entretanto, ela possui benefícios como por exemplo auxiliar no momento que precisar reportar problemas e na identificação de responsabilidades. Assim também, permite melhor compreensão como já citado e ainda pode ser aproveitado como ferramenta estratégica.

Modelo de organograma em barras

 

Organograma Matricial

Modelo muito útil para representar estruturas temporárias, que serão formadas por uma ou mais unidade de trabalho e que atuarão juntas no projeto. Também é utilizada por consultores para ilustrar parte de um trabalho. Costuma ser bastante utilizado pelas empresas por conta da sua flexibilidade e adaptação para execução de tarefas.

Dentre suas vantagens estão a ligação entre os departamentos, auxilia no controle de resultados, proporciona um quadro flexível, colabora para o ambiente ter mais fluidez, todos funcionários podem participar das tomadas de decisões.

Modelo de organograma matricial

Veja também:Como bons processos de gestão ajudam a engajar a equipe?

Organograma Funcional

Muito utilizado atualmente e bem semelhante ao vertical, porém esse modelo de organograma, representa as relações funcionais e não hierárquicas. É o mais racional de todos os modelos.

Desse modo seus benefícios são permitir que todos conheçam a estrutura organizacional da empresa, colabora e facilita o trabalho em equipe, mais flexibilidade na execução das atividades, processos mais estruturados e informações centralizadas.

Modelo de organograma funcional

Portanto, o organograma de uma empresa é uma ferramenta essencial para representar a gestão administrativa de cada organização. Esse é um artifício importante para que seus colaboradores, fornecedores, clientes e parceiros tenham consciência da estrutura administrativa da sua empresa.

Além disso, facilita o entendimento para execução de tarefas e como cada departamento e cargos funcionam.

Uma dica é que na elaboração dos organogramas é importante determinar os cargos e funções, depois organizá-los. Assim facilita para quem for fazer a distribuição.

Gostou do nosso artigo? Compartilhe nos comentários suas experiências.

 

Rafaela de Souza Batista

Bacharela em Comunicação Social – Publicidade e Propaganda. Redatora e Produtora de Conteúdo para Web. Ama escrever e criar coisas novas. Uma estudiosa sobre o comportamento do consumidor e as novidades da área do marketing.

Como o Neuromarketing Pode Ajudar nas Vendas

Primeiramente, você conhece ou já ouviu do Neuromarketing?

Pois bem! O neuromarketing é um recente estudo da neurociência e do marketing relativo ao comportamento do consumidor. Um dos principais objetos do estudo é a resposta que o cérebro dá quanto a publicidade, o branding das marcas, e ainda sobre a preferência de estar comprando ou não comprando determinados produtos.

Como surgiu o neuromarketing?

Ele surgiu mais ou menos no final da década de 90 por meio de estudos acadêmicos de um grupo de pesquisadores nos Estados Unidos. Entretanto, o termo só foi introduzido definitivamente em 2002.

O médico e pesquisador Gerald Zaltman foi quem teve a ideia de usar aparelhos de ressonância magnética para o marketing, ao invés de usar apenas para estudos médicos.

Porém, quem criou este termo “neuromarketing” foi Ale Smidt, professor de marketing de uma universidade da cidade de Roterdã na Holanda.

Leia também: Branding a Gestão das Marcas Veja Como Fazer

Mas, afinal para que exatamente serve o neuromarketing?

Antes de mais nada, para esclarecimento o neuromarketing não mais uma estratégia de marketing, e sim estudo do comportamento do consumidor por meio das informações entendidas pelo cérebro.

O que ele faz é extrair dados que venham falar das preferências do consumidor e a relação no processo de compras.

Tem sido cada vez mais importante para o ramo publicitário, isso porque permite identificar diversas reações, principalmente quanto a padrões de cores e sons. Pequenos detalhes, que podem trazer boas ideias as marcas que podem estar melhorando as experiências dos seus consumidores.

Ou seja, as pesquisas são realizadas como forma de avaliação, mas que pode contribuir para entender melhor o consumidor, cliente final, e partir disso, incluir ou criar alguma estratégia.

Principais Técnicas do Neuromarketing

Utilizar mais imagens que texto – Pois conteúdo visual é mais fácil e rápido de compreensão do que apenas palavras escritas.

Aplicação da psicologia das cores – Porque elas são capazes de transmitir emoções, intensificar ou amenizar sentimentos, além de possuir uma simbologia importante.

Posicionamento das imagens – Estudos mostram que o direcionamento do rosto tem papel fundamental na percepção dos consumidores.

Criar gatilhos mentais (Escassez, urgência, novidade e/ou prova social) – São ações que o cérebro toma automaticamente, por isso possibilita o incentivo de compra.

Estimular os sentidos – Isso pode melhorar a experiência, além de impactar.

Ancoragem dos preços – Isca para convencer e fazer acreditar que vale a pena investir pela comparação de preços.

Contar histórias/gerar emoções – Irá chamar atenção e ficar na memória, utilize a técnica do storytelling, mas não seja apelativo.

Crie problemas e dê a solução – Isso vai evidenciar a importância e o benefício do produto, marca ou empresa.

Veja também:4 dicas arrasadoras para vender mais em meio à crise!

Benefícios do Neuromarketing

  • Melhora a tomada de decisão;
  • Permite o desenvolvimento de produtos mais direcionados;
  • Proporciona a criação de campanhas publicitárias mais efetivas;
  • Aprimora a experiência do consumidor;
  • Evita o desperdício de verba de marketing;
  • Permite comparar publicidade e produtos concorrentes;
  • Desvenda motivações implícitas dos consumidores;
  • Metodologia com forte embasamento científico.

Cases de sucesso

Coca cola e Pepsi

Esse é um dos estudo mais famosos.

Foi feito uma pesquisa com 16 participantes em relação as empresas de bebidas concorrentes. Eles participaram de um teste cego com as duas bebidas, onde tomaram cada uma sem saber qual era e escolheria a que ele preferia.

O resultado foi simplesmente que metade das pessoas escolheram Pepsi sem saber que era o refrigerante. Entretanto, quando ficaram sabendo, a maioria mudou de opinião e disseram preferir Coca-cola.

E a porque a opinião mudou? Uma parte do cérebro que é responsável por controlar memórias e ensinamentos culturais entrou em ação.

Hyundai

A empresa de carros foi um dos grandes casos de sucesso ao usar o eletroencefalograma para avaliar o protótipo de um automóvel.

A pesquisa focou na usabilidade do modelo. Aonde tiveram 30 participantes, 15 homens e 15 mulheres, que observaram um protótipo do carro durante uma hora.

Para realização do experimento, eles utilizaram de bonés adaptados com eletrodos. E O aparelho mediu as atividades cerebrais de cada um em resposta a diferentes características do protótipo.

E foi a partir disso, que identificou situações e estímulos mais prováveis de levar o cliente a fechar o negócio.

Netflix

A Netflix empresa de streaming de vídeos oferece um teste gratuito para que em troca seja feita a assinatura do serviço. Isso que é o conhecido princípio da reciprocidade. Ao dar o primeiro mês ao cliente, a empresa conecta os usuários ao serviço completo e mostra seus benefícios na prática.

Este é um estímulo para que consumidores confirmem sua assinatura logo após o teste. E ele funciona.

Ah, o Spotify (streaming de músicas), também utiliza deste mesmo tipo de técnica.

 

Rafaela de Souza Batista

Bacharela em Comunicação Social – Publicidade e Propaganda. Redatora e Produtora de Conteúdo para Web. Ama escrever e criar coisas novas. Uma estudiosa sobre o comportamento do consumidor e as novidades da área do marketing.

O Que é Design Thinking e Como Aplicar

Antes de mais nada, Design Thinking segundo Charles Burnette “é um processo de pensamento crítico e criativo que permite organizar as informações e ideias, tomar decisões, aprimorar situações e adquirir conhecimento.”

Nossa, parece ser algo inovador não é mesmo? Digamos que é mesmo, pois com ele buscará enxergar os problemas de outra maneira e desenvolver as melhores soluções possíveis, baseados nas abordagens mentais dos designers.

 

Como surgiu o Design Thinking?

Primeiro de tudo, isso aconteceu por volta de 1991 quando a IDEO foi fundada. Uma consultoria de inovação o qual começou utilizando a abordagem para resolver problemas e assim ficou ficando famosa no vale do silício.

Sendo que quem criou foram dois professores da universidade de Stanford David Kelley e Tim Brown, eles que fundaram a consultoria. Além disso, lançaram um livro em 2009 “Design Thinking – Uma Metodologia Poderosa Para Decretar o Fim das Velhas Ideias” que virou até bestseller.

Leia também:A importância da inteligência competitiva para a sua empresa

Para que serve o Design Thinking? Como funciona? E quem usa?

Primordialmente, Design Thinking serve para muitas coisas como: criar novos produtos e serviços, criar novos projetos, desenvolver novas ferramentas, criar novas marcas, etc.

Dessa forma ele funciona para desenvolver soluções de problemas como já dito anteriormente. Sendo um conjunto de práticas e processos, com foco está nas experiências das pessoas, principalmente do consumidor para busca de respostas.

Já que esta observação irá gerar insigths para entender o que as pessoas querem e precisam. A partir disso é que surge o desafio, para de forma criativa criar as necessidade e desejos por meio de um trabalho colaborativo.

Contudo, quem usa dessa abordagem são geralmente as empresas tanto de pequeno, médio ou grande porte, até mesmo microempresários. E pode ser nas mais diversas áreas como educação, saúde, governo, alimentação, eletrônicos, dentre outros.

Etapas do Design Thinking

Vejamos agora as etapas para realização do Design Thinking.

Imersão – Criar empatia ou compreender: Conhecer o problema e tudo o que o envolve, compreender o contexto e ação do outro e além de si mesmo. Pode fazer análise swot, beachmarking, por exemplo.

Análise e síntese – Com as informações que foram coletadas, é hora de definir fazer a delimitação do problema, o que precisa ser criado e resolvido. Pode ser feito uma representação gráfica ou organograma para ajudar

Ideação – é hora de dá ideias para resolver o problema. Podem ser feitos Brainstormings, workshops de co-criação para colaborar na geração de insights.

Prototipagem e teste – Definir ideias e criar protótipos para ratificar a ideia/criação. Pode ser desenvolvido por meio de desenhos, maquetes ou ainda algo que represente ou esteja próximo d;a ideia. E teste para ter certeza que irá funcionar.

Implementação – Desenvolva a solução encontrada, e entenda que este pode ser um processo contínuo e incremental.

Ferramentas do Design Thinking

A saber, existem algumas ferramentas importantes e essenciais na criação deste processo, como:

Duplo diamante – um processo de estímulo para criar soluções que possam permitir compreender o contexto.

Caderno de sensibilização – Sugerido para a primeira etapa a de imersão. Servirá para registrar dados importantes.

Entrevista – Para obter dos clientes informações que sejam relevantes.

Personas – representações de pessoas fictícias criadas a partir do seu público-alvo.

Veja também:Entenda o que é e como funciona a estratégia Account – Based Marketing

Benefícios:

  • Incentiva a criatividade;
  • Aproximação com o cliente;
  • Estimula a empatia;
  • Tem ótimo custo-benefício;
  • Oferece respostas;
  • Senso de-copropriedade;
  • Possibilita investir com segurança;
  • Fortalece a cultura organizacional.

Cases de Sucesso

UberEats – O UberEats levou os motoristas de Uber para um novo nicho: o delivery de restaurantes. Com uma imersão de grandes proporções, cerca de 80 cidades ao redor do mundo, foram ouvidos desde os donos de restaurantes aos clientes. A prototipação e os testes passaram pela abordagem do design thinking e hoje o UberEats já disputa o espaço de outros aplicativos que já estão há mais tempo no mercado.

Natura – A Natura, empresa de cosméticos, utilizou o design thinking na prática para desenvolver novas soluções em produtos e serviços, a marca buscava adotar uma abordagem leve e divertida para fortalecer o relacionamento com o público jovem, e todo o processo foi desenvolvido tendo como foco as necessidades e a experiência dos consumidores; tudo isso de maneira colaborativa e inovadora.

Gostou do nosso artigo? Compartilhe nos comentários suas experiências.

 

Rafaela de Souza Batista

Bacharela em Comunicação Social – Publicidade e Propaganda. Redatora e Produtora de Conteúdo para Web. Ama escrever e criar coisas novas. Uma estudiosa sobre o comportamento do consumidor e as novidades da área do marketing.