capital de giro para clínicas

7 dicas para montar o capital de giro para clínicas e consultórios

capital de giro para clínicasAo abrir uma empresa, é necessário dar muita atenção nas finanças para que ela se mantenha viva no mercado e com as contas em dia. Isso vale também para clínicas e consultórios médicos. Vamos conhecer agora 7 dicas para montar o capital de giro para clínicas.

Para quem é muito bom entregando valor para o cliente, mas não tem tanto contato com a administração do negócio, capital de giro é a diferença entre os recursos disponíveis em caixa e a soma de todas as despesas e contas a pagar.

capital de giro para clínicas

Precisa de uma solução efetiva e profissional para a gestão da sua empresa? Agende uma ligação com um assessor e descubra tudo que a Daexe pode fazer por você!

 

Ele é conhecido como ativo circulante e se refere a quantidade de recursos necessários para a empresa desempenhar suas atividades no dia a dia.

Por isso o capital de giro é o pilar da saúde financeira de qualquer tipo de negócio. Ele costuma ser utilizado para pagamento de fornecedores, de salários e algumas outras despesas, enquanto o dinheiro não entra no caixa.

Não ter um fluxo de caixa pode fazer com que o negócio não evolua, e feche as portas, conforme mostra uma pesquisa feita pelo Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas (Sebrae). Segundo a pesquisa, 20% dos negócios encerram por falta de capital e 7% por falta de lucro.

Mas fique tranquilo, você vai conseguir dar os primeiros passos para formar o seu capital de giro agora. E se você já tem um capital, fique atento, que sempre é possível melhorar e corrigir problemas.

 

Conheça agora 7 dicas para montar o capital de giro para clínicas

 

1. Conheça seus custos e o capital de giro para clínicas

Coloque na ponta do lápis, ou se preferir em uma planilha do Excel, todos os custos que seu consultório ou clínica tem. Isso vale desde as contas de água, luz, telefone, pagamento dos funcionários até os gastos simples do dia a dia, com um cafezinho, por exemplo.

Com isso chegará a um valor montante e poderá ter uma ideia do quanto precisa ter em média, por dia, para pagar essas contas e ainda obter lucro.

O valor de todos os custos vamos chamar de passivo circulante.

 

2. Conheça sua receita

Quanto você cobra por consulta em sua clínica ou consultório? Quantas pessoas consegue atender por dia?

A partir dessas respostas será possível ter uma ideia de quanto de recursos, em média, será possível entrar em seu orçamento.

Lembrando que ao definir o valor cobrado a cada consulta, deve ser levado em consideração os custos que você tem.

Além disso, para formar a receita, lembre-se que entra nessa conta todas as fontes de alta liquidez, por exemplo, o saldo da conta corrente de sua clínica, poupança, os valores a receber dos pacientes, possíveis investimentos e ainda o estoque disponível.

Somando esses valores temos o chamado ativo circulante.

Vamos aplicar isso na fórmula para saber o capital de giro para clínicas?

Capital de Giro = Ativo Circulante (incluindo estoque) – Passivo Circulante

Pronto, agora você chegará ao valor do seu capital de giro. A partir desse resultado, será possível enxergar os recursos financeiros necessários para manter as finanças da clínica no positivo.

Vale ressaltar que é importante determinar um período para que o capital de giro possa garantir o pagamento das contas, por exemplo. O ideal, segundo especialistas financeiros, é que esse período seja de, pelo menos, três meses.

 

3. Não tenha restrições nas formas de pagamento

Uma dica importante para aumentar o capital de giro para clínicas é ter diversas opções de pagamento para seus clientes. Se você restringir apenas ao pagamento à vista, ou não oferecer parcelamento, muitos pacientes não escolheram sua clínica, e podem buscar por outro local.

 

4. Saber negociar com fornecedores e clientes é muito importante

Agora que você já sabe a fórmula para calcular seu capital de giro, é importante também saber como aumentá-lo.

Da mesma forma que você deve oferecer boas opções de pagamento aos seus clientes, busque por fornecedores que também lhe ofereçam boas formas de pagá-los.

Busque por fornecedores que ofereçam desconto no pagamento à vista ou que permitam um pagamento a prazo mais longo.

Fazendo isso, a compra de insumos não vai comprometer o seu capital de giro.

 

5. Mantenha atualizado seu fluxo de caixa

Sabe aquela famosa frase, “não deixe para amanhã o que você pode fazer hoje”? É exatamente o que tem que acontecer quando o assunto é o fluxo de caixa.

Uma atualização do que entra de receita e tem de despesa todos os dias será crucial para você ter tranquilidade de quanto terá de capital de giro em sua clínica ou consultório.

 

6. Antecipação de recebíveis

Uma dica importante para você aumentar seu fluxo de caixa e ter um capital de giro consequentemente maior é contar, quando necessário, com a antecipação de recebíveis.

Procure por uma instituição financeira que ofereça o dinheiro que você vai receber no futuro. Porém, fica um alerta, nas taxas que são cobradas por esse tipo de serviço. Em alguns casos vale mais a pena esperar o recebimento do que optar por essa facilidade.

 

7. Faça um empréstimo a título de capital de giro para clínicas

Essa também é uma dica que tem que ser muito bem avaliada, mas que se feita de forma estratégica pode trazer um aumento do seu capital de giro.

Por exemplo, se uma instituição te oferecer uma baixa taxa de juros e você precisa daquele dinheiro naquele momento específico, mas só vai receber daqui 30 dias, pode ser interessante contratar um empréstimo.

Lembrando de sempre avaliar as taxas para não se enrolar financeiramente e colocar em risco seu consultório ou clínica.

Conclusão:

Agora ficou mais claro como montar o capital de giro para clínicas e que ele é muito importante principalmente em momentos de imprevistos ou desafios que possa enfrentar no seu negócio.

Contando com esse valor reservado, é possível ter tempo para se planejar e decidir qual deverá ser os próximos passos a serem tomados, sem se endividar por conta dos altos juros e tomar decisões precipitadas.

Gostou das 7 dicas para montar o capital de giro para clínicas? Então aproveita e compartilhe nosso conteúdo.

Organize sua empresa em 7 dias

eBook Repensando o Planejamento Estratégico

gestão de consultório

Como fazer uma boa gestão de consultório odontológico?

Normalmente, os dentistas precisam se dividir entre atender pacientes (que chagam ao local, por telefone ou pelo WebWhats) e realizar a gestão de consultório odontológico. Entretanto, muitos desses profissionais estão preparados para cuidar da saúde bucal das pessoas, mas não para assumir a função de administradores.

Isso porque, gerenciar um negócio envolve muitos fatores que não estão presentes na grade curricular de odontologia.

Por isso, faz-se necessário que os dentistas que estão pensando em abrir seus próprios consultórios, ou que já os tem, voltem para os livros e estudem tudo o que envolve o gerenciamento de um negócio, desde a parte financeira até os regulamentos.

Para te ajudar com esse desafio, separamos algumas dicas essenciais no dia a dia de um dentista gestor.

gestão de consultório

Precisa de uma solução efetiva e profissional para a gestão da sua empresa? Agende uma ligação com um assessor e descubra tudo que a Daexe pode fazer por você!

Por que uma boa gestão é importante para o seu consultório?

Quando o dentista resolve abrir um consultório ele passa a ser responsável, também, pela saúde do negócio.

Sendo assim, é responsabilidade do gestor assegurar que o consultório esteja estável e seguro para manter-se funcionando mesmo em meio à crises e à concorrência.

Quem é dentista sabe que mesmo sendo um serviço essencial para a manutenção da saúde, muitas pessoas deixam de visitar o consultório regularmente, pois colocam outras prioridades à frente.

Aliás, muitos nem se dão ao trabalho de contratar um convênio dental, como se emergências não acontecessem e a necessidade de convênios odontológicos pudesse ser deixada de lado.

Isso faz com que os dentistas não tenham alta demanda o ano inteiro.

A seguir, confira algumas dicas essenciais para uma boa gestão do seu negócio.

Dicas para uma gestão eficiente do seu consultório

Como dito anteriormente, a gestão eficiente de um negócio decorre de muitos fatores, tudo dependerá do tipo de negócio e das especificidades de cada mercado. Entretanto, existem alguns pilares que devem nortear o trabalho de qualquer gestor:

Planeje-se e organize suas finanças

Antes de abrir as portas do seu consultório é essencial que você monte um planejamento detalhado do negócio. Lembre-se que o planejamento não é inflexível, pois diante de imprevistos será necessário improvisar.

Planejar-se significa traçar um caminho e estabelecer até onde você pretende chegar com o consultório.

Para construir o caminho até os seus objetivos você terá que listar os seus custos fixos (aqueles que não se alteram de um mês para o outro) e variáveis (aqueles que variam dependendo do mês), precificação de tratamentos e gastos não esperados.

Também é primordial que você separe as finanças da empresa das finanças pessoais. Nada de misturar as contas e fazer retiradas fora de data. O pró-labore precisa ser fixo e periódico.

Cuide do fluxo de caixa

O fluxo de caixa é o sistema financeiro que irá registrar a movimentação diária do dinheiro que entra e sai da clínica. É por meio do seu monitoramento que você terá o controle das contas para saber como está a saúde financeira do seu consultório.

É nessa etapa que você irá categorizar o que é custo variável e o que é custo fixo.

Os custos fixos são aqueles que não mudam de um mês para o outro. O aluguel, salários e encargos, o plano odonto empresa oferecido para seus funcionários e o pró-labore, são alguns exemplos.

Já os custos variáveis são aqueles que mudam a cada mês.

Por exemplo: a compra de materiais para a clínica dependerá muito do estoque e da demanda por certos procedimentos. Então, se em um mês você realizar muitos implantes dentários, certamente terá que comprar mais parafusos de titânio.

Conheça sua área de atuação

Aqui não estamos falando necessariamente sobre suas habilidades. Se você é um dentista obviamente sabe muito sobre odontologia.

Mas você também sabe que dentro da odontologia existem especialidades e novas tecnologias surgindo a todo o momento.

Conhecer a sua área de atuação é saber quais as especialidades mais procuradas por seu público e as inovações tecnológicas que te ajudarão a se sobressair perante a concorrência e agregar valor ao seu trabalho.

Assim, quando uma pessoa procurar por dentista convênio na internet, por exemplo, em busca de um profissional de confiança, ela escolherá você.

Use recursos tecnológicos de gestão de consultório

Graças aos avanços tecnológicos recentes, hoje já é possível automatizar processos de gestão por meio de softwares próprios para isso.

O mercado oferece inúmeras opções de sistemas de gestão que se adequam às necessidades de cada empresa. Para escolher a melhor alternativa preste atenção no dia a dia do seu consultório e opte por aquela que oferecer integração com:

  • Financeiro;

  • Agenda;

  • Relatórios inteligentes;

  • Estoque;

  • Pacientes.

Gestão de Consultório e Pessoas

Certamente, não é fácil transformar-se em gestor quando sua verdadeira vocação é cuidar da nossa saúde bucal. Porém, ao longo dessa jornada você irá perceber que administrar o seu próprio consultório é uma habilidade a ser desenvolvida conforme a experiência.

Assim como em sua carreira na odontologia, a gestão do consultório requer muito estudo e planejamento. Garanta que você tenha um bom ambiente de trabalho e conte com uma equipe competente que te ajude a assegurar o futuro do seu negócio.

Texto produzido por Estela Lima, redatora da empresa Ideal Odonto com adaptações editoriais de Daexe Assessoria Executiva.