Comunicação Organizacional porque é importante para as empresas ?

Comunicação Organizacional porque é importante para as empresas ?

Como sua empresa se comunica com o público interno e externo ? O fluxo de informações é eficaz e não há nenhum ruído? A comunicação organizacional é parte importante de uma empresa. Cuida de toda e qualquer comunicação que esteja relacionada a empresa. Diante disso, este artigo vem com o objetivo de explicar sobre a comunicação organizacional e a sua importância.

A comunicação organizacional é o tipo ou processo de comunicação que ocorre no contexto de uma organização, seja ela pública ou privada. O profissional que cuida desta área cabe a ele executar ações de interação entre a organização e seus diversos públicos (consumidores, clientes e funcionários).

Kunsch explica que, “Comunicação organizacional, como objeto de pesquisa, é a disciplina que estuda como se processa o fenômeno comunicacional dentro das organizações no âmbito da sociedade global. Ela analisa o sistema, o funcionamento e o processo de comunicação entre a organização e seus diversos públicos.”

Não há gestão de relacionamento assertivo sem que tenha uma boa comunicação organizacional. As estratégias realizadas são diferenciadas de acordo com o perfil de cada público. Para que seja alcançada a qualidade na comunicação é necessário que circule as informações por todos os setores.

A comunicação organizacional compreende uma série de ferramentas de uma empresa e melhora na produtividade dos funcionários. O papel dela envolve querer, planejar e criar objetivos para alcançar o êxito desejado. Além disso, serve também para deixar os colaboradores a par do que está acontecendo na empresa.

Ela  serve como plano para criar um clima motivador dentro de uma empresa onde educa, constrói valores e valoriza indivíduos. Ajuda a produzir comunicação para o mercado organizacional e criar valores no mercado consumidor através da propaganda institucional.

Ela é fundamental para que as empresas cumpram com a sua missão, e na realização dos objetivos estratégicos. Nutrindo a relação com os stakeholders, que são os funcionários, fornecedores, clientes, parceiros, dentre outros que tenham relação com a empresa.

A comunicação organizacional possui quatro funções básicas que são controle, motivação, expressão e informação passada.

Sendo composta por todas as formas de comunicação dentro de uma empresa:

Comunicação institucional – Compreende a comunicação com o ambiente externo.

Comunicação Interna – Abrange a comunicação dirigida ao público interno. As mensagens são enviadas dentro da organização.

Comunicação Mercadológica – São as estratégias de marketing, publicidade, eventos, dentre outros, destinados a promover a marca, produtos ou serviços.

Comunicação Integrada – É a soma de todas as atividades de comunicação realizadas pelos diversos departamentos da empresa. Para que os fluxos de informações vertical e horizontal, ocorra sem ruídos.

Dentro da empresa a comunicação organizacional terá várias funções, além de gerenciar o relacionamento com o todos os públicos. Dentre essas diversas funções estarão:

  • Promover o entendimento dos objetivos organizacionais.
  • Mobilizar e integrar o público interno.
  • Fortalecer as informações com stakeholders.
  • Visibilidade no mercado.
  • Facilitar os processos de negociação.
  • Gerenciar crises.
  • Otimizar as tomadas de decisão.
  • Melhorar relação com a imprensa.

Ainda a comunicação organizacional é apresentada em três dimensões: instrumental, estratégica e humana.

Dimensão Instrumental – canal ou meio de envio de informações, aonde é feita de maneira direta, sem pesquisa ou análise.

Dimensão Estratégica – Planeja, administra e pensa na comunicação. Auxiliando as empresas para que percebam possíveis ameaças e oportunidades no ambiente.

Dimensão Humana – objetivo é o entendimento entre as pessoas. Voltadas para as relações que são construídas e reconstruídas diariamente.

E as formas de comunicação? Que canais podem ser usados? Eles podem ser os mais diversos:

Blog – Comunicação informal, e de conteúdos para o público externo.

TV Corporativa – Para transmitir mensagens corporativas à todos os colaboradores, que estão dentro e fora da empresa.

Intranet – canal na Web para transmissão de mensagem corporativa, relacionamento. Além de atividades operacionais com o público interno.

Jonal institucional – Publicações com conteúdo interativo, informativo e entretenimento com o público interno e externo.

Newsletter – Boletim informativo periódico para os diferentes públicos da organização.

Entendeu como é importante ter uma boa comunicação organizacional dentro de uma empresa? Agora veja como anda a comunicação da sua empresa, e se precisar faça melhorias e adeque a cada público. Depois nos conte como foi essa experiência e seus resultados.

 

 

Rafaela de Souza Batista

Bacharela em Publicidade e Propaganda pelo Centro Universitário UNIEURO. Assistente Executiva de Marketing no Departamento de Assessoria Executiva – Daexe. Gosta de escrever, ler, criar peças publicitária, diagramar e executar tarefas de ações e estratégias marketing. Pesquisadora em comportamento do consumidor.

 

 

A Assessoria executiva no processo de tomada de decisão

Assessoria executiva: no processo de tomada de decisão

O papel da assessoria executiva tem sido cada vez mais importante dentro das empresas. O mercado tem exigido uma grande capacidade a nível estratégico e gerencial. 

Por isso, atualmente o profissional da área precisa ser constantemente mais qualificado e pró-ativo. Com essas qualificações, a assessoria executiva ganhou uma posição importante na tomada de decisões.

Uma das maiores dificuldades perceptíveis na rotina diária das empresas está justamente no processo decisório. Isso fica visível especialmente na hora da necessidade de tomar decisões importantes.

O medo de arriscar sem a certeza de retorno age como um empecilho que impede muitos empreendedores de ascenderem. Em outros casos, decisões imprudentes ou precipitadas resultam em danos gigantes para a empresa.

Nesse cenário, os empresários têm colocado cada vez mais confiança nas indicações da assessoria executiva. Com um conhecimento da dinâmica de todas a empresa, essa parte da equipe consegue apresentar uma visão completa do quadro geral. Ajudando o empresário a enxergar e compreender as competências da empresa e possibilidades mais favoráveis no cenário apresentado.

A importância do planejamento

Para qualquer tomada de decisão, é necessário que todas as informações disponíveis sejam analisadas e filtradas previamente. A realidade é que, para o sucesso nos negócios, todas as decisões de uma empresa precisam de um planejamento prévio. É essencial que a assessoria executiva realize um estudo específico de cada uma das alternativas apresentadas.

Questões como falta de tempo, influência de variáveis externas e complexidade do problema podem exigir uma adaptação no planejamento. Mas mesmo em uma situação adversa, o maior aproveitamento possível do planejamento é essencial. A falta de planejamento pode resultar em inúmeros problemas para a empresa e a reputação da assessoria com a gestão.

Por todo esse processo complexo e tão importante para a sobrevivência da empresa, não basta ser apenas um assessor executivo. Indo além, o profissional da equipe executiva precisa apresentar um perfil empreendedor. É preciso que ele tenha características exigidas pelo mercado atual:

  • Auto responsabilidade;
  • Raciocínio rápido;
  • Visão estratégica;
  • Habilidade na comunicação;
  • Capacidade de execução
  • Liderança
  • Inteligência emocional
  • Analisar e correlacionar dados
  • Espírito de gestão

Leia também: Quando devo procurar uma assessoria empresarial

Assessoria executiva é sinônimo de foco e visão

Em resumo, a assessoria executiva precisa ter uma visão holística da empresa e sua organização. Ela deve abranger os seus elementos, estratégias e atividades. Esse conhecimento é também uma forma de mostrar aos responsáveis pela empresa a seriedade e comprometimento do trabalho.

A criação desse laço de confiança entre a assessoria executiva e o empresário é um ponto chave. Ele proporciona um trabalho realizado de forma harmônica e agregadora. Por isso, o papel da assessoria é justamente o maior aliado do gestor da empresa. É preciso que se possa depositar confiança e consultá-la nos momentos difíceis e de decisão. 

É evidente que a incerteza sempre vai existir. Além disso, é humanamente impossível afirmar que erros de decisão não vão acontecer. Porém, o trabalho da assessoria executiva na tomada de decisões é, dentro das possibilidades e alternativas, muito claro. A assessoria deve apresentar ao empreendedor o cenário mais favorável para um resultado positivo.

Por isso, o segredo para um bom desempenho da assessoria executiva na tomada de decisões está no conhecimento. Quanto maior for o conhecimento sobre a empresa, melhor! 

Isso inclui o seu funcionamento, estratégias e a dinâmica da equipe. Assim, maior será a qualificação da assessoria para decidir de forma inteligente e empreendedora. 

assessoria executiva

Contabilidade gerencial: o que é e como começar a fazer na sua empresa

Contabilidade Gerencial: Veja o que é e como fazer

Diferente da contabilidade financeira, a contabilidade gerencial produz relatórios para gerentes, diretores e demais públicos internos. Quando bem realizada, ela se torna uma ferramenta contábil que pode refletir em melhores resultados.

Além de ser importante para ajudar a criar ações futuras, a contabilidade gerencial oferece uma visão completa da empresa. Se você ainda não implantou essa ferramenta na sua gestão, conheça mais sobre ela a seguir:

O que é a contabilidade gerencial?

A contabilidade gerencial é considerada uma ferramenta contábil. Com uso estratégico, ela reúne dados da empresa que possam ser relevantes aos gestores. A sua principal função é orientar a tomada de decisões.

Os relatórios gerados são estratégicos porque se concentram naquilo que é necessário se ter conhecimento. Eles podem incluir detalhes dos recursos financeiros disponíveis, fluxo de vendas, contas a vencer, etc.

  • Para entendê-la melhor conheça os seus principais benefícios:
  • Aumenta a eficiência dos gestores;
  • Auxilia na tomada de decisões;
  • Auxilia na fixação de preços;
  • Atua na previsão financeira;
  • Otimiza o controle de desperdícios;
  • Aumenta a comunicação entre os diferentes níveis de gestão;
  • Aumenta o lucro;
  • Norteia decisões estratégicas.

Como aplicar

contabilidade gerencialPara aplicar a contabilidade gerencial, é preciso integrá-la com toda a contabilidade da sua empresa. Isso acontece porque para gerar os relatórios deve-se ter acesso a todo orçamento e custos.

Além do desenvolvimento dos relatórios, a estratégia pode ser aplicada ainda com outras ações. Aproximar a contabilidade de todos os departamentos é uma dessas ações. Assim, é possível que todos participem da construção de estratégias aprofundadas.

O acesso a toda e qualquer informação da empresa também é fundamental para aplicar a contabilidade gerencial. Somente assim é possível a precisão dos resultados. Além disso, contar com softwares de dados fiscais também ajuda a reduzir os erros.

Veja Também: Gestão Financeira por fluxo de caixa e por fluxo de competência

Contabilidade gerencial versus contabilidade financeira

Entender a diferença entre essas duas formas de contabilidade é simples. Basicamente, elas dividem-se em externa e interna. A contabilidade gerencial é considerada interna. A diferença é que ela apresenta as informações para os próprios gestores, sócios e empregados da empresa.

Por outro lado, a Contabilidade Financeira é focada em apresentar as informações para o público externo. No caso, esse público pode ser fornecedores, investidores ou até o governo.

O grande benefício da Contabilidade Gerencial é que os seus dados são pensados em benefício da própria administração da empresa. É importante destacar que uma não é mais importante do que a outra, já que possuem focos distintos. Para traçar estratégias de crescimento, por exemplo, a Contabilidade Gerencial pode ser muito mais efetiva.

Plano de Conta Personalizado

Mesmo não possuindo nenhuma validade legal, o Plano de Contas Personalizado pode ser um diferencial na construção da Contabilidade Gerencial. A sua função é auxiliar na análise das informações da empresa. Com ele é possível visualizar inúmeros dados:

  • Valor de vendas;
  • Vendas em cartão/cheque/dinheiro;
  • Compra de mercadorias;
  • Material de consumo;
  • Contas como luz e água.

Em suma, tudo o que acontece na empresa relacionado à contabilidade poderá constar no plano. Para utilizá-lo, contudo, é necessário contar com um software de gestão que possua a função. 

O Plano de Contas Personalizado destaca-se pelo alto detalhamento das informações. Normalmente em planilhas, ele as apresenta de forma clara e separadas por atividades dentro da empresa. O plano pode conter ainda as contas e suas descrições para facilitar a interpretação de quem receber o relatório.

A contabilidade gerencial, de fato, não acontece sozinha. Como se salientou, ela depende tanto de recursos como o Plano de Contas como de pessoas que formam a empresa. Unindo informações e métodos, ela pode ser decisiva para uma empresa que busca crescer.

contabilidade gerencial

 

Assessores e Consultores Executivos: Agentes da transformação organizacional

Assessores e Consultores Executivos: Agentes da transformação organizacional

Por que as transformações organizacionais são processos tão difíceis? Niklas Luhmann, um dos gigantes pensadores do século XX, explica da seguinte maneira: tanto pessoas como empresas funcionam como sistemas fechados. Com sua própria lógica de funcionamento (cultura organizacional) e estratégias de sobrevivência.

A transformação, pessoal ou organizacional, é um processo gradual, porque o sistema é resistente ao que lhe é estranho e luta para se manter igual. O estranho, principalmente quando contradiz o modus operandi do sistema, é visto como ameaça à sua subsistência.

Trazendo este raciocínio para a interação entre consultorias e assessorias executivas junto aos empreendedores, colaboradores e empresas. Como um todo, podemos observar que o Consultor Executivo atua como um provocador desse sistema. Num primeiro momento, sua atuação é um elemento que pode causar estranheza e resistência.

Ele entra na empresa para diagnosticar, rever processos, apontar o que deveria ser melhorado a partir do seu vasto conhecimento do mundo empresarial. Não que seja visto como inimigo, não é isso. Mas sua presença gera o desconforto de que transformações sistêmicas deverão ocorrer. E para que elas ocorram, será necessário o engajamento e a mobilização de todos os envolvidos. Será necessária uma transformação organizacional.

A partir daí, o incômodo está lançado e o ambiente organizacional pode ficar tenso.

As mudanças exigem que saiamos da nossa zona de conforto

Buscar e implementar novos aprendizados não é tão fácil assim. Às vezes ficamos resistentes, nosso sistema sinaliza que não vai dar certo, que não vai fazer diferença, que não vai ser melhor. Às vezes, só depois de uma mudança é que percebemos o quanto ela era necessária para evoluirmos.

Como um Assessor executivo pode aumentar o lucro a produtividade da sua empresa

É neste ponto que o Assessor Executivo tem um papel fundamental. O assessor, como o nome já diz, é aquele que auxiliará o processo de transformação. Colocando a mão na massa, ensinando como fazer a mudança acontecer e, especialmente, dedicando-se a conciliar os extremos, as opiniões divergentes.

É aquele que mostrará porque vale a pena mudar. Porque a combinação de suas duas visões (um de fora do sistema e outra de dentro do sistema) lhe permitem ter um panorama de como a empresa está hoje e de como ela poderá ficar.

 

As transformações são processos trabalhosos, mas sempre valem a pena! Conte com seu consultor e seu assessor executivo do DAEXE para auxiliar a sua empresa neste momento fundamental!

Quando devo procurar uma Assessoria Empresarial?

Assessoria Empresarial

Se você está lendo este artigo, provavelmente está refletindo se vale a pena ou não contratar um serviço de assessoria empresarial. O que temos para te dizer é que a resposta depende do tipo de problema que você está querendo resolver.

Qual o papel de uma Assessoria Empresarial?

A Assessoria Empresarial é um acompanhamento de longo prazo. É quando a empresa assume para si mesma que em algum aspecto, não está mais podendo caminhar sozinha e que necessita ter um profissional especializado para somar no dia-a-dia, no andamento das atividades fundamentais do negócio.
Em nossa experiência em assessoria executiva, somos frequentemente procurados por médicos, advogados, dentistas, entre outros profissionais que possuem seus escritórios e consultórios e atendem perfeitamente dentro de suas vocações, mas percebem que não está sendo sadio para os seus negócios terem de acumular suas funções de atendimento às funções administrativas, financeiras, de marketing, entre outras atividades.
Ao mesmo tempo, o volume destas atividades em seus ramos de atuação não justifica contratar um profissional somente para aquilo. Neste caso, uma opção bastante conveniente é contratar uma assessoria executiva que assuma estes departamentos ou funções, para que o empreendedor possa focar apenas no que é de fato sua vocação.

Soluções Pontuais e Soluções Estruturais

Se o problema que você quer resolver é um problema de natureza mais pontual, o serviço de uma Consultoria Empresarial pode ser o mais adequado. Neste ramo, vamos dizer que o trabalho de um consultor empresarial é semelhante ao de um BOMBEIRO. Ele é contratado para ajudar a empresa a dar fim a um grande incêndio e normalmente se retira quando o problema está em vias de ser resolvido.
Mas às vezes, a empresa necessita de um acompanhamento permanente de um profissional especializado em implementar as melhorias necessárias, que garanta que o incêndio não aconteça, ou não volte a acontecer. Aqui estamos falando de uma solução de natureza estrutural, preventiva. Se é sob esta lógica que você gostaria de ser atendido, provavelmente o ideal é que procure os serviços de uma Assessoria Empresarial.

Investir em uma Assessoria Executiva é como contratar um seguro. É um investimento que tem por benefício diluir os riscos de um “grande incêndio”, cujas consequências materiais e imateriais poderiam ser extremamente prejudiciais à empresa.

O seu Daexe – Departamento de Assessoria Executiva – possui profissionais especializados em prestar ambos os tipos de serviço. Se tiver qualquer dúvida, deixe-nos sua pergunta nos comentários abaixo ou entre em contato com a gente por um dos nossos canais de atendimento. Teremos o maior prazer em atendê-lo!

5 indicadores de desempenho para medir seu sucesso

Indicadores de desempenho

Não estamos falando de metas, mas de quem vai te ajudar a alcançá-las! Conheça alguns possíveis indicadores de desempenho para sua empresa. Se você tem um curso pré-vestibular, pode ser a porcentagem de alunos aprovados em universidades renomadas. Se tem um restaurante que preza pelo serviço de qualidade, pode ser a taxa de clientes que retornam. Se o caso é uma indústria de produção em massa, pode ser a quantidade de produtos finalizados por hora. Os indicadores de desempenho, também chamados de KPI, são métricas que quantificam sua performance de acordo com seus objetivos organizacionais.

Para que esses indicadores de desempenho tenham uma contribuição significativa no controle da empresa, primeiro é necessário entender o planejamento estratégico e ter objetivos claros na hora da definição das metas que devem ser alcançadas. A partir daí, a elaboração e a gestão dos indicadores de desempenho podem ser direcionadas para o monitoramento da evolução dos resultados da empresa e servir como referência para o processo de tomada de decisão e a criação de estratégias de melhoria.

Esse artigo foi criado justamente para abordar a importância da utilização da avaliação de desempenho organizacional, quais tipos de indicadores e métodos podem ser utilizados e como eles podem contribuir no processo de tomada de decisão.

A utilização de indicadores de desempenho

Existem diversos tipos de KPIs que fornecem uma série de informações que podem estar encaixadas em categorias. Dentre alguns deles, podemos citar:
a) os indicadores de produtividade: que podem estar relacionados à produtividade hora/colaborador, hora/máquina. Ou seja, estão ligados ao uso dos recursos da empresa com relação às entregas.
b) os indicadores de qualidade: eles andam juntos com os indicadores de produtividade, pois ajudam a entender qualquer desvio ou não conformidade que ocorreu durante o processo produtivo. Um exemplo de indicador de qualidade pode ser considerado o nível de avarias, onde a quantidade de avarias ocorridas durante um período é comparado com o nível de aceitação estabelecido.
c) os indicadores de capacidade: eles medem a capacidade de resposta de um processo. Podemos citar como indicadores de capacidade a quantidade de produtos que uma máquina consegue embalar durante um determinado período de tempo.
d) indicadores estratégicos: eles auxiliam na orientação de como a empresa se encontra com relação aos objetivos que foram estabelecidos anteriormente. Eles indicam e fornecem um comparativo de como está o cenário atual da empresa com relação ao que deveria ser.

Independentemente de em qual categoria os indicadores se encontram, eles são igualmente importantes, pois são eles quem fornecem a visão que a empresa necessita para enxergar seus processos e conseguir uma base sólida para alinhá-los aos objetivos traçados.

Os principais indicadores de desempenho nas empresas de sucesso

Então, quais indicadores de desempenho podem ser utilizados para acompanhar a performance da empresa e o que pode ser feito para que os resultados sejam melhorados?

Indicador de lucratividade

Grande parte dos empreendedores se preocupa em acompanhar o faturamento da empresa e, não raro, se depara com situações onde os resultados foram positivos, mas o dinheiro não sobra. Parece estranho? Sim, mas não é.
O cálculo do percentual de lucro sobre o faturamento ajuda a entender melhor qual caminho o negócio tem seguido e quais ações podem ser tomadas para melhorar os resultados. Voltando à questão da falta de dinheiro, ela pode estar diretamente ligada aos custos que a empresa apresenta.
Se o seu faturamento foi positivo, mas o dinheiro não está disponível, é sinal de que seus custos andam elevados e você precisa tentar resolver esse impacto. Uma boa forma de analisar se a lucratividade do seu negócio está em bom estado é compará-la com a lucratividade média apresentada pelo seu setor no mercado.

Valor do ticket médio

Este indicador de desempenho permite entender como funciona a dinâmica de vendas e pode ser acompanhado de três formas: por venda, por cliente e por vendedor. Com esses três parâmetros, é possível identificar a performance do setor de forma mais ampla e identificar ações que podem maximizar os resultados ou pontos que necessitam de melhoria.
Por exemplo: se você consegue medir seu ticket médio por clientes, poderá saber quais deles compram mais e melhor e mudar a forma como se relaciona com esses clientes, oferecendo um atendimento diferenciado e negociações especiais.
Por outro lado, se você acompanha o ticket médio por vendedor, consegue identificar, por exemplo, quais se saem melhor. A partir daí, vale investigar os motivos e implementar soluções, como a de investir mais na capacitação dos vendedores ou de criar programas de incentivos.
O cálculo padrão de ticket médio se dá: faturamento em X meses / X / nº de clientes – dessa forma, têm-se o ticket médio mensal da empresa.

Nível de serviço de entregas

Esse indicador da área de logística revela os dados de uma das operações mais complicadas e, ao mesmo tempo, mais observadas pelos clientes: a entrega dos produtos. Esse KPI é importante não só para entender como está o desempenho da sua operação de transporte, mas também se a sua cadeia de suprimentos funciona de forma eficiente.
Serve ainda como base para avaliar o desempenho dos seus fornecedores. Isso é importante para avaliar o grau de confiabilidade de cada um deles com relação a suas entregas e o cumprimento de prazos.

Taxa de sucesso em vendas

Esse indicador auxilia os empreendedores a entender qual é o índice de vitórias em cada negociação realizada pela empresa. Ela pode ser medida estabelecendo a relação entre a quantidade de vendas que foram efetivamente fechadas e a quantidade total de oportunidades que foram abertas em determinado período.
Além disso, se as taxas de sucesso forem medidas em cada etapa do processo de negociação, é possível identificar qual é o maior gargalo do seu funil de vendas, aquele que faz com que seus clientes desistam da proposta. Por exemplo: se os clientes desistem logo no início, o problema pode estar relacionado à abordagem dos vendedores. Em um momento mais avançado, pode ser consequência da oferta de facilidade de pagamento ou, mais adiante, da capacidade de entrega.

Índice de turnover

Avaliar o grau de rotatividade dos seus funcionários ajuda a entender as questões internas da empresa. Grandes taxas de turnover podem sinalizar problemas de liderança, de clima organizacional e de valorização dos colaboradores. Quando a empresa enfrenta problemas internos, possivelmente eles irão refletir no atendimento ao cliente.
O grau de turnover pode ser calculado com base no tempo médio de permanência de cada funcionário na empresa. A fórmula clássica é (nº de demissões + nº de admissões)/2, dividido pelo total de funcionários. Essa taxa de rotatividade acaba se tornando importante para que a organização entenda seus problemas e crie ações para solucioná-los e melhorar os resultados da empresa como um todo.

É muito comum encontrar empreendedores que, na ânsia de controlar suas operações, acabam criando uma grande quantidade de KPIs, que fornecem muitas informações que muitas vezes não são analisadas. Ou então, ainda, há aqueles que acabam dando tanto foco no que diz respeito à rotina — captação de clientes, negociação, vendas, entre outras atividades — que se esquecem de desenvolver análises que podem fornecer um diagnóstico preciso sobre a situação em que a empresa se encontra. Esses indicadores de desempenho só funcionam quando estão alinhados com suas estratégias e quando você está disposto a separar um respiro na rotina para acompanhá-los.

Você pode continuar aprendendo sobre indicadores de desempenho aqui no nosso BLOG, e se tiver alguma dúvida, não hesite em contatar o seu assessor executivo do DAEXE.

Este artigo pertence originalmente ao BLOG Endeavor e foi gentilmente cedido para os leitores do BLOG DAEXE.

Saiba definir indicadores de desempenho relevantes para seu negócio

Indicadores de Desempenho

Nada melhor do que um exemplo prático para apreendermos uma boa lição, não é verdade? É por isso que hoje queremos compartilhar com você, através de uma analogia simples, uma percepção que tem feito toda a diferença na nossa gestão e na gestão das empresas que assessoramos: você precisa aprender a utilizar indicadores de desempenho específicos para o seu negócio!

Quer saber por quê? Vamos ao exemplo.

Quantas pessoas você conhece que vivem saindo de uma dieta e entrando em outra, sem resultados satisfatórios? Temos certeza que uma boa lista, e com uma boa chance de que ela comece por você mesmo, sem ofensas. Vai dizer que não?
A história sempre se repete. Uma segunda-feira de sol em que o sujeito inicia um programa de exercícios diários e um cardápio restrito das coisas que ouviu falar que não colaboram com a sua dieta. Para controlar o desempenho, sobe na balança todos os dias, de preferência logo quando acorda, porque sabe que aquele é o momento em que tende a estar “menos pesado”.
Passa uma semana, e o sujeito perdeu 1kg. Fica feliz. Passa mais uma semana, e se vão 300 gramas. Ele pensa: “se fiz o mesmo que na semana anterior, porque não perdi o mesmo?”. Na terceira semana, restringe mais a dieta e pega mais pesado nos exercícios, mas perde apenas 450 gramas. “O que houve dessa vez?”, é o que se pergunta. Afinal, a balança não está mostrando, mas o sujeito está se sentindo mais magro. Na quarta semana, com o psicológico abalado pelo resultado pífio, o sujeito perde a linha no aniversário de um amigo que o convidou para um rodízio de massas. Adeus dieta.

O fator mais determinante para o insucesso deste sujeito foi a escolha de um indicador de desempenho genérico e difícil de influenciar. Vamos te explicar porquê, com outro caso.

Um sujeito decide procurar uma clínica de emagrecimento. Já na primeira consulta, passa por procedimentos de anamnese, bioimpedância e fotodocumentação. É designado a fazer uma série de exames que vão transformar em números seu estado nutricional. A partir disto, passa a ser medicado e a cumprir uma prescrição extremamente rigoroso das calorias que pode ingerir e das calorias que deve perder todos os dias. É acompanhado rotineiramente por uma equipe formada por cardiologista, nutricionista funcional, personal trainer, esteticista e psicoterapeuta. A cada nova consulta, todas as suas medidas são revistas e os resultados acompanhados precisamente pelos processos de anamnese e fotodocumentação.
O resultado é que este sujeito, em apenas três meses, consegue perder 30 quilos. Se estiver em dúvida, entre em contato com alguma clínica de emagrecimento que vai saber que isto não é nenhum exagero.

A regra de sucesso aqui foi a escolha perfeita de indicadores de desempenho, que permitiram um acompanhamento preciso do progresso do sujeito, medindo, além do peso, as calorias consumidas e perdidas, as porcentagens de massa magra e massa gorda, as perdas de medidas, a qualidade da nutrição e a foto comparada. O conjunto de indicadores tornou possível que o sujeito pudesse influenciar precisamente os resultados, sabendo quando precisava gastar mais caloria (exercícios), quais elementos nutricionais deveria ingerir e em quais quantidades, etc.

Com as empresas acontece o mesmo!

Boa parte das reuniões de estratégia das empresas acabam focando sempre na mesma coisa: os dados das avaliações de desempenho e a incapacidade de alterá-los. Esta fixação faz com que não se saia do lugar: líderes de vendas se fixam no montante de vendas, líderes de serviços se detém na satisfação dos clientes, os que fazem dieta ficam obcecados pela balança.

Isto é comum porque de fato as informações fornecidas pela avaliação de desempenho são a sua forma de medir o sucesso, são os resultados que você quer alcançar, além de serem dados fáceis de obter/observar. Por exemplo, é mais fácil subir na balança e ver quanto peso perdeu, mas é mais difícil descobrir quantas calorias vocês ingeriu e quantas queimou, não é verdade?

“Mas como, AFINAL, posso escolher os indicadores de desempenho MAIS RELEVANTES para o meu NEGÓCIO?” é o que você deve estar se perguntando.

Você precisa ter em mente que Indicadores de desempenho RELEVANTES para o seu negócio precisam ser PREDITIVOS E INFLUENCIÁVEIS a METAS!

Para que você possa entender este item, vamos compartilhar um exemplo de uma empresa de bebidas que encontramos no Livro “As quatro disciplinas da execução”, de autoria de consultores da Consultoria Internacional Franklin Covey.

O time da empresa de bebidas, assim como você e sua equipe, estava em busca de escolher os indicadores de desempenho mais relevantes para sua Meta Crucialmente Importante, que era: Aumentar a produção anual de água de 175 milhões de litros para 185 milhões de litro até 31 de dezembro.

As primeiras sugestões de indicadores que surgiram, foram:
a)Estipular meta de produção de água mensal
b)Estipular meta de produção diária

Qual delas você escolheria???

A resposta certa é: nenhuma das duas!

Sabe por quê? Porque nenhuma delas diz o que é necessário fazer todos os dias para chegar ao objetivo. Não são preditivas, nem influenciáveis!

Para encontrar o indicador de desempenho RELEVANTE é necessário estar atento às especificidades da empresa. No caso da empresa de água, eles buscaram estudar os motivos que os impediam de aumentar sua produção de água. Descobriram, por meio de um diagnóstico, que o gargalo da produção estava no fato de que eram recorrentes os casos de turnos de trabalho com equipes incompletas e que haviam máquinas improdutivas.

Seus indicadores de desempenho tinham que atuar sobre o que de fato era impeditivo para o alcance da META. Foi assim que definiram dois indicadores de desempenho PRECISOS:
A)O percentual de turnos com equipes completas, que agora buscariam aumentar de 80% para 95%; e
b) O percentual de conformidade com os programas de manutenção preventiva, que agora deveriam aumentar de 72% para 100%.

Estes dois indicadores são claramente PREDITIVOS, ou seja, medem algo que leva ao alcance da meta; e INFLUENCIÁVEIS, ou seja, a ação da equipe influencia diretamente nos resultados.

INDICADORES SÓ SÃO RELEVANTES QUANDO VOCÊ E SUA EQUIPE SÃO CAPAZES DE INFLUENCIÁ-LO!

Para gerir estes fatores, há uma metodologia de gestão estratégica que consideramos ideal: Balanced Scorecard, também conhecida pela abreviação BSC. Trabalhando com as quatro perspectivas fundamentais das empresas (finanças> clientes> processos>aprendizado e inovação), o BSC tem por base a gestão por meio de indicadores de desempenho precisos, capazes de fornecer informações exatas a respeito do progresso da empresa em direção aos objetivos e metas crucialmente importantes que foram estabelecidos.
Nossos clientes que adotaram o BSC costumam testemunhar como principal ganho a sensação de controle da situação e de segurança nas tomadas de decisão, visto que agora conhecem a sua empresa em números e sabem sob quais fatores devem atuar para alcançarem suas metas.

Conheça mais sobre o BSC aqui no nosso BLOG! Também queremos saber a sua opinião sobre este artigo. Ficou mais clara a importância e o caminho para escolher indicadores de desempenho relevantes para o seu negócio? Continuamos a conversa, nos comentários abaixo.

Margem de lucro: descubra 3 formas matadoras de aumentar a sua

Aumentar o faturamento frequentemente é uma questão de diminuir custos! A lógica é simples, mas requer esforço. Afinal, que variáveis compõem o preço que você cobra pelo seu produto ou seu serviço? Será que não há alguma gordurinha para queimar aí? Na maioria das vezes, o aumento da margem de lucro nas vendas se resume a “comprar mais barato” do seu fornecedor! Vamos fazer um esforço?!

Confira três dicas matadoras para aumentar sua margem de lucro sem fórmula mágica ou promessa inalcançável.

 

Precisa de uma solução efetiva e profissional para a gestão da sua empresa? Agende uma ligação com um assessor e descubra tudo que a Daexe pode fazer por você!

 

1. Pesquise novos fornecedores

Estamos em um mundo globalizado, e hoje se pode literalmente adquirir produtos e serviços de qualquer lugar do mundo. Portanto a parceria com um fornecedor de confiança é algo importante, mas é necessário estar atento aos concorrentes dele para avaliar a relação custo-benefício da sua fidelização.

Há quanto tempo você não faz uma pesquisa de preço de outros fornecedores? Saia dessa rotina e dê uma garimpada na internet. Afinal, se há no mercado opções mais em conta, proponha uma renegociação com seu fornecedor. Se não houver resposta, considere experimentar outras parcerias e veja seu faturamento aumentar!

2. Aumente o volume de compra

A regra do mercado é clara: quem compra em maior quantidade consegue negociar melhores preços e condições de pagamento. Se organize para comprar a mercadoria de que precisa em grandes lotes por período. Se o seu caso já não é uma questão de organizar períodos de compras, considere entrar em contato com outros empreendimentos que fazem a mesma aquisição. Ainda mais sendo concorrentes, nesta medida é possível sim fazer parcerias duradouras e todos saem ganhando.

3. Experimente fazer leilão de preço

Se você pretende fazer uma grande aquisição, vale a apena recorrer a canais na internet onde se pode fazer leilão de preços. Neles, você discrimina os produtos e quantidades que pretende adquirir e os fornecedores disputam entre si qual a melhor proposta. Esta medida costuma proporcionar uma diminuição dos preços que certamente contribuirá para o aumento do seu faturamento.

 

Quer saber mais? Baixe o Ebook da Daexe sobre Balanced Socorecard e descubra

 

Balanced Scorecard

Método de gestão empresarial: 3 motivos para utilizar um agora!

Em tempo de crise ou não, o mercado vem se tornando cada vez mais competitivo, com o avanço da tecnologia à velocidade da luz e informações disponíveis gratuitamente. Tudo isso proporciona um cenário de oportunidade aparentemente igual para todos. Hoje, porém, já podemos observar que existem empresas que conseguem ter um resultado consistente independente do cenário econômico. Os responsáveis por 75% da consistência desse resultado são os métodos de gestão de negócio eficiente. Normalmente, as empresas que fracassam não têm metas bem definidas, têm dificuldade de identificar um modelo de gestão claro e não possuem a disciplina de seguir uma rotina do método PDCA.

Para esclarecer melhor a importância de ter um método é crucial entender a etimologia das palavras Método e Gestão. A palavra MÉTODO vem do Grego METHODOS, MET- significa em português “META” e -HODOS significa “caminho”. Ou seja, o método é o caminho para alcançar um objetivo ou meta. Na palavra GESTÃO vale observar a definição do guru de gestão brasileiro, Vicente Falconi: gestão é correr atrás da META e alcançá-la de forma consistente e de forma ética. Segundo ele, se você não tem meta, você não está fazendo gestão na sua empresa. Pode estar fazendo qualquer outra coisa, menos gestão.

Sendo assim, podemos conceituar que método de gestão é um caminho, organizado em etapas sequenciadas, para alcançar os objetivos e metas da sua empresa de forma consistente.

Se você ainda não está convencido da eficácia e das vantagens de utilizar um método de gestão, aqui vão três ótimos motivos que lhe farão mudar de ideia:

  1. Melhor desempenho

O método de gestão bem implantado ajuda o empreendedor a alcançar as metas estabelecidas para o seu negócio e um constante crescimento. Todas as nuances da empresa serão analisadas e melhoradas ao seu máximo, buscando a versatilidade e os melhores resultados possíveis em todas as áreas empresariais, como: processos, colaboradores, clientes, finanças, comunicação e etc.

  1. Não precisa reinventar a roda

Não é um tiro no escuro ou um método de tentativa e erro. É um modelo comprovado e eficaz. Com um método de gestão adequado, você tem menos chances de errar, pois todos os cenários possíveis já foram estudados, analisados e testados anteriormente.

  1. Garantia de resultados

Utilizando um método de gestão, as chances de alcançar o resultado pretendido são de 95%. Por serem métodos testados, as chances de alcançar suas metas para a empresa são muito maiores do que deixar ao acaso. Os resultados e benefícios da utilização de uma metodologia na gestão vão desde o primeiro setor da empresa até o destino final: o cliente, garantindo a eficácia do negócio potencializando cada setor individualmente, sempre visando o sucesso total e completo do empreendimento.

O método de gestão utilizado pela Daexe é o BSC (Balanced Scorecard), que foi desenvolvido pelos professores da Harvard Business School, Robert Kaplan e David Norton, em 1992. O BSC é um método de planejamento estratégico que consiste na definição muito clara das metas e estratégias da empresa, com a intenção de  materializar tudo que foi idealizado, ou seja a visão estratégica do negócio e de avaliar o desempenho empresarial por meio de indicadores quantificáveis e verificáveis. A metodologia de gestão BSC leva em consideração os aspectos financeiros, os processos internos, os clientes, e o aprendizado e o crescimento organizacional. Sua forma de aplicação, em relação aos processos internos, procura a satisfação final dos clientes, assim como aprendizado e desenvolvimento constantes.

Agora que você sabe a importância de um método de gestão eficaz aplicado à sua empresa, conte para nós a sua experiência nos negócios e inovações que implementou ou ainda deseja implementar. Estamos à disposição para ajudá-lo em busca do sucesso no seu empreendimento!

Um abraço,

Dekker Jordão F. Baptista