Organize sua empresa em 7 dias

eBook Repensando o Planejamento Estratégico

5 Passos para Estruturar uma Universidade Corporativa

 

Universidade Corporativa: Entenda quais são os passos para estruturar uma

Em um mercado competitivo e acelerado, as empresas que param no tempo ficam para trás. Por isso, é fundamental buscar políticas de atualização e treinamento, como uma Universidade Corporativa.

A Universidade Corporativa é um departamento de educação ao colaboradores, a fim de tornar as equipes mais produtivas, atualizadas e competentes. Sendo assim, a empresa passa a ter outros benefícios, como maior lucratividade e melhor vantagem competitiva.

Em outras palavras, a Universidade Corporativa é um sistema educacional interno de uma organização. São ações instrucionais voltadas para o desenvolvimento humano, a capacitação profissional e a busca por mais conhecimentos técnicos, trabalhando as competência institucionais, técnicas e comportamentais.

Nos tempos atuais, essa cultura de educação se tornou ponto-chave para as empresas. Porque além de promover benefícios monetários e produtivos, uma Universidade Corporativa gera resultados no campo emocional de cada colaborador.

Isso porque promove maior motivação (sentimento de valorização) e melhor integração entre equipes (sentimento de companheirismo). Também desenvolve a parte técnica, dando impulsionamentos para a carreira de cada colaborador, que poderá assumir cargos de chefia futuramente.

Veja também o artigo: Educação Corporativa porque é importante para as empresas

Veja a seguir, os 5 passos para estruturar uma Universidade Corporativa:

Universidade Corporativa: O passo a passo para o sucesso profissional

É possível estruturar uma Universidade Corporativa em apenas 5 passos simples para uma empresa. Eles são:

1 – Análise interna e externa

O primeiro passo para implementar uma Universidade Corporativa é estudar e analisar o mercado externo e as competências internas de uma organização. Assim, é possível elaborar metas e conhecer quais são os pontos fracos da empresa levando em consideração onde ela quer chegar a médio e longo prazo.

Uma dica para esse ponto é fazer uma análise SWOT da empresa. A análise SWOT é uma tabela comparativa entre o mercado externo e a produção interna, ela gera uma análise sobre pontos fortes e carências empresariais.

Com esses relatórios em mãos, os líderes devem começar a pensar em quais equipes devem ser treinadas, quais são os tipos de treinamentos e conteúdos, e como isso tudo deve ser feito.

2 – Planejamento

Após a análise, a empresa deve iniciar o planejamento e criar um projeto. O planejamento deve constar:

  • Responsáveis: Quais áreas ou quais colaboradores serão responsáveis pelo desenvolvimento e a organização de uma Universidade Corporativa?
  • Metas: Qual é a meta que se pretende atingir?
  • Índices de Mensuração: Como o resultado será medido?
  • Gastos: Quanto a empresa irá investir?
  • Materiais: O que será necessário comprar ou alugar?
  • Metodologia: Como o aprendizado será feito (Presencial e Portal Virtual?
  • Conteúdo: O que será ensinado?

3 – Desenvolvimento

O terceiro passo é colocar o planejamento em ação. A Universidade Corporativa começa a sair do papel e ganhar vida. Nessa etapa,  estrutura o Sistema de Educação Corporativa, além  de se pensar em estrutura (física e virtual) e demais recursos.

A equipe responsável começa a traçar esboços e materializar planos anteriores. Com isso é possível ter um panorama sobre o projeto feito e até fazer ajustes, se necessário.

4 – Divulgação

Parte importante da Universidade Corporativa é a comunicação aos colaboradores. Eles devem estar cientes do projeto e entender a importância deles. A empresa deve fazer ações de endomarketing para motivar as equipes a participarem efetivamente dos treinamentos.

Os colaboradores são os maiores interessados nesse novo projeto e são eles quem dão vida a uma Universidade Corporativa. Sendo assim, é fundamental contar com o apoio deles e a participação de todos.

5 – Profissional Especialista

Por fim, é fundamental que a empresa conte com um profissional especialista em Universidade Corporativa. A consultoria e colaboração deixará o projeto mais assertivo, favorecendo o alcance das metas desenhadas.

O profissional irá analisar o projeto, promover melhorias e ampliar sua influência nos resultados da organização. Sendo assim, os caminhos para os objetivos são encurtados e facilitados com a visão de um especialista.

Algumas empresas, como a DAEXE, possui a consultoria em  Educação Corporativa. Esse serviço tem como objetivo fazer com que a empresa passe a lucrar com o seu investimento em educação corporativa.

Especialista em Universidade Corporativa

A Daexe pode te ajudar nessa missão. Entre em contato com a gente e consulte um de nós especialistas em Educação Corporativa!

Conte com a gente!

Plataforma para Cursos a Distância

Você também pode utilizar uma plataforma EAD que permita personalização para poder ministrar cursos a distância para a sua equipe, o que facilita principalmente para empresas com grande números de funcionários.

A Assessoria executiva no processo de tomada de decisão

Assessoria executiva: no processo de tomada de decisão

O papel da assessoria executiva tem sido cada vez mais importante dentro das empresas. O mercado tem exigido uma grande capacidade a nível estratégico e gerencial. 

Por isso, atualmente o profissional da área precisa ser constantemente mais qualificado e pró-ativo. Com essas qualificações, a assessoria executiva ganhou uma posição importante na tomada de decisões.

Uma das maiores dificuldades perceptíveis na rotina diária das empresas está justamente no processo decisório. Isso fica visível especialmente na hora da necessidade de tomar decisões importantes.

O medo de arriscar sem a certeza de retorno age como um empecilho que impede muitos empreendedores de ascenderem. Em outros casos, decisões imprudentes ou precipitadas resultam em danos gigantes para a empresa.

Nesse cenário, os empresários têm colocado cada vez mais confiança nas indicações da assessoria executiva. Com um conhecimento da dinâmica de todas a empresa, essa parte da equipe consegue apresentar uma visão completa do quadro geral. Ajudando o empresário a enxergar e compreender as competências da empresa e possibilidades mais favoráveis no cenário apresentado.

A importância do planejamento

Para qualquer tomada de decisão, é necessário que todas as informações disponíveis sejam analisadas e filtradas previamente. A realidade é que, para o sucesso nos negócios, todas as decisões de uma empresa precisam de um planejamento prévio. É essencial que a assessoria executiva realize um estudo específico de cada uma das alternativas apresentadas.

Questões como falta de tempo, influência de variáveis externas e complexidade do problema podem exigir uma adaptação no planejamento. Mas mesmo em uma situação adversa, o maior aproveitamento possível do planejamento é essencial. A falta de planejamento pode resultar em inúmeros problemas para a empresa e a reputação da assessoria com a gestão.

Por todo esse processo complexo e tão importante para a sobrevivência da empresa, não basta ser apenas um assessor executivo. Indo além, o profissional da equipe executiva precisa apresentar um perfil empreendedor. É preciso que ele tenha características exigidas pelo mercado atual:

  • Auto responsabilidade;
  • Raciocínio rápido;
  • Visão estratégica;
  • Habilidade na comunicação;
  • Capacidade de execução
  • Liderança
  • Inteligência emocional
  • Analisar e correlacionar dados
  • Espírito de gestão

Leia também: Quando devo procurar uma assessoria empresarial

Assessoria executiva é sinônimo de foco e visão

Em resumo, a assessoria executiva precisa ter uma visão holística da empresa e sua organização. Ela deve abranger os seus elementos, estratégias e atividades. Esse conhecimento é também uma forma de mostrar aos responsáveis pela empresa a seriedade e comprometimento do trabalho.

A criação desse laço de confiança entre a assessoria executiva e o empresário é um ponto chave. Ele proporciona um trabalho realizado de forma harmônica e agregadora. Por isso, o papel da assessoria é justamente o maior aliado do gestor da empresa. É preciso que se possa depositar confiança e consultá-la nos momentos difíceis e de decisão. 

É evidente que a incerteza sempre vai existir. Além disso, é humanamente impossível afirmar que erros de decisão não vão acontecer. Porém, o trabalho da assessoria executiva na tomada de decisões é, dentro das possibilidades e alternativas, muito claro. A assessoria deve apresentar ao empreendedor o cenário mais favorável para um resultado positivo.

Por isso, o segredo para um bom desempenho da assessoria executiva na tomada de decisões está no conhecimento. Quanto maior for o conhecimento sobre a empresa, melhor! 

Isso inclui o seu funcionamento, estratégias e a dinâmica da equipe. Assim, maior será a qualificação da assessoria para decidir de forma inteligente e empreendedora. 

assessoria executiva

Quando devo procurar uma Assessoria Empresarial?

Assessoria Empresarial

Se você está lendo este artigo, provavelmente está refletindo se vale a pena ou não contratar um serviço de assessoria empresarial. O que temos para te dizer é que a resposta depende do tipo de problema que você está querendo resolver.

Qual o papel de uma Assessoria Empresarial?

A Assessoria Empresarial é um acompanhamento de longo prazo. É quando a empresa assume para si mesma que em algum aspecto, não está mais podendo caminhar sozinha e que necessita ter um profissional especializado para somar no dia-a-dia, no andamento das atividades fundamentais do negócio.
Em nossa experiência em assessoria executiva, somos frequentemente procurados por médicos, advogados, dentistas, entre outros profissionais que possuem seus escritórios e consultórios e atendem perfeitamente dentro de suas vocações, mas percebem que não está sendo sadio para os seus negócios terem de acumular suas funções de atendimento às funções administrativas, financeiras, de marketing, entre outras atividades.
Ao mesmo tempo, o volume destas atividades em seus ramos de atuação não justifica contratar um profissional somente para aquilo. Neste caso, uma opção bastante conveniente é contratar uma assessoria executiva que assuma estes departamentos ou funções, para que o empreendedor possa focar apenas no que é de fato sua vocação.

Soluções Pontuais e Soluções Estruturais

Se o problema que você quer resolver é um problema de natureza mais pontual, o serviço de uma Consultoria Empresarial pode ser o mais adequado. Neste ramo, vamos dizer que o trabalho de um consultor empresarial é semelhante ao de um BOMBEIRO. Ele é contratado para ajudar a empresa a dar fim a um grande incêndio e normalmente se retira quando o problema está em vias de ser resolvido.
Mas às vezes, a empresa necessita de um acompanhamento permanente de um profissional especializado em implementar as melhorias necessárias, que garanta que o incêndio não aconteça, ou não volte a acontecer. Aqui estamos falando de uma solução de natureza estrutural, preventiva. Se é sob esta lógica que você gostaria de ser atendido, provavelmente o ideal é que procure os serviços de uma Assessoria Empresarial.

Investir em uma Assessoria Executiva é como contratar um seguro. É um investimento que tem por benefício diluir os riscos de um “grande incêndio”, cujas consequências materiais e imateriais poderiam ser extremamente prejudiciais à empresa.

O seu Daexe – Departamento de Assessoria Executiva – possui profissionais especializados em prestar ambos os tipos de serviço. Se tiver qualquer dúvida, deixe-nos sua pergunta nos comentários abaixo ou entre em contato com a gente por um dos nossos canais de atendimento. Teremos o maior prazer em atendê-lo!

Saiba definir indicadores de desempenho relevantes para seu negócio

Indicadores de Desempenho

Nada melhor do que um exemplo prático para apreendermos uma boa lição, não é verdade? É por isso que hoje queremos compartilhar com você, através de uma analogia simples, uma percepção que tem feito toda a diferença na nossa gestão e na gestão das empresas que assessoramos: você precisa aprender a utilizar indicadores de desempenho específicos para o seu negócio!

Quer saber por quê? Vamos ao exemplo.

Quantas pessoas você conhece que vivem saindo de uma dieta e entrando em outra, sem resultados satisfatórios? Temos certeza que uma boa lista, e com uma boa chance de que ela comece por você mesmo, sem ofensas. Vai dizer que não?
A história sempre se repete. Uma segunda-feira de sol em que o sujeito inicia um programa de exercícios diários e um cardápio restrito das coisas que ouviu falar que não colaboram com a sua dieta. Para controlar o desempenho, sobe na balança todos os dias, de preferência logo quando acorda, porque sabe que aquele é o momento em que tende a estar “menos pesado”.
Passa uma semana, e o sujeito perdeu 1kg. Fica feliz. Passa mais uma semana, e se vão 300 gramas. Ele pensa: “se fiz o mesmo que na semana anterior, porque não perdi o mesmo?”. Na terceira semana, restringe mais a dieta e pega mais pesado nos exercícios, mas perde apenas 450 gramas. “O que houve dessa vez?”, é o que se pergunta. Afinal, a balança não está mostrando, mas o sujeito está se sentindo mais magro. Na quarta semana, com o psicológico abalado pelo resultado pífio, o sujeito perde a linha no aniversário de um amigo que o convidou para um rodízio de massas. Adeus dieta.

O fator mais determinante para o insucesso deste sujeito foi a escolha de um indicador de desempenho genérico e difícil de influenciar. Vamos te explicar porquê, com outro caso.

Um sujeito decide procurar uma clínica de emagrecimento. Já na primeira consulta, passa por procedimentos de anamnese, bioimpedância e fotodocumentação. É designado a fazer uma série de exames que vão transformar em números seu estado nutricional. A partir disto, passa a ser medicado e a cumprir uma prescrição extremamente rigoroso das calorias que pode ingerir e das calorias que deve perder todos os dias. É acompanhado rotineiramente por uma equipe formada por cardiologista, nutricionista funcional, personal trainer, esteticista e psicoterapeuta. A cada nova consulta, todas as suas medidas são revistas e os resultados acompanhados precisamente pelos processos de anamnese e fotodocumentação.
O resultado é que este sujeito, em apenas três meses, consegue perder 30 quilos. Se estiver em dúvida, entre em contato com alguma clínica de emagrecimento que vai saber que isto não é nenhum exagero.

A regra de sucesso aqui foi a escolha perfeita de indicadores de desempenho, que permitiram um acompanhamento preciso do progresso do sujeito, medindo, além do peso, as calorias consumidas e perdidas, as porcentagens de massa magra e massa gorda, as perdas de medidas, a qualidade da nutrição e a foto comparada. O conjunto de indicadores tornou possível que o sujeito pudesse influenciar precisamente os resultados, sabendo quando precisava gastar mais caloria (exercícios), quais elementos nutricionais deveria ingerir e em quais quantidades, etc.

Com as empresas acontece o mesmo!

Boa parte das reuniões de estratégia das empresas acabam focando sempre na mesma coisa: os dados das avaliações de desempenho e a incapacidade de alterá-los. Esta fixação faz com que não se saia do lugar: líderes de vendas se fixam no montante de vendas, líderes de serviços se detém na satisfação dos clientes, os que fazem dieta ficam obcecados pela balança.

Isto é comum porque de fato as informações fornecidas pela avaliação de desempenho são a sua forma de medir o sucesso, são os resultados que você quer alcançar, além de serem dados fáceis de obter/observar. Por exemplo, é mais fácil subir na balança e ver quanto peso perdeu, mas é mais difícil descobrir quantas calorias vocês ingeriu e quantas queimou, não é verdade?

“Mas como, AFINAL, posso escolher os indicadores de desempenho MAIS RELEVANTES para o meu NEGÓCIO?” é o que você deve estar se perguntando.

Você precisa ter em mente que Indicadores de desempenho RELEVANTES para o seu negócio precisam ser PREDITIVOS E INFLUENCIÁVEIS a METAS!

Para que você possa entender este item, vamos compartilhar um exemplo de uma empresa de bebidas que encontramos no Livro “As quatro disciplinas da execução”, de autoria de consultores da Consultoria Internacional Franklin Covey.

O time da empresa de bebidas, assim como você e sua equipe, estava em busca de escolher os indicadores de desempenho mais relevantes para sua Meta Crucialmente Importante, que era: Aumentar a produção anual de água de 175 milhões de litros para 185 milhões de litro até 31 de dezembro.

As primeiras sugestões de indicadores que surgiram, foram:
a)Estipular meta de produção de água mensal
b)Estipular meta de produção diária

Qual delas você escolheria???

A resposta certa é: nenhuma das duas!

Sabe por quê? Porque nenhuma delas diz o que é necessário fazer todos os dias para chegar ao objetivo. Não são preditivas, nem influenciáveis!

Para encontrar o indicador de desempenho RELEVANTE é necessário estar atento às especificidades da empresa. No caso da empresa de água, eles buscaram estudar os motivos que os impediam de aumentar sua produção de água. Descobriram, por meio de um diagnóstico, que o gargalo da produção estava no fato de que eram recorrentes os casos de turnos de trabalho com equipes incompletas e que haviam máquinas improdutivas.

Seus indicadores de desempenho tinham que atuar sobre o que de fato era impeditivo para o alcance da META. Foi assim que definiram dois indicadores de desempenho PRECISOS:
A)O percentual de turnos com equipes completas, que agora buscariam aumentar de 80% para 95%; e
b) O percentual de conformidade com os programas de manutenção preventiva, que agora deveriam aumentar de 72% para 100%.

Estes dois indicadores são claramente PREDITIVOS, ou seja, medem algo que leva ao alcance da meta; e INFLUENCIÁVEIS, ou seja, a ação da equipe influencia diretamente nos resultados.

INDICADORES SÓ SÃO RELEVANTES QUANDO VOCÊ E SUA EQUIPE SÃO CAPAZES DE INFLUENCIÁ-LO!

Para gerir estes fatores, há uma metodologia de gestão estratégica que consideramos ideal: Balanced Scorecard, também conhecida pela abreviação BSC. Trabalhando com as quatro perspectivas fundamentais das empresas (finanças> clientes> processos>aprendizado e inovação), o BSC tem por base a gestão por meio de indicadores de desempenho precisos, capazes de fornecer informações exatas a respeito do progresso da empresa em direção aos objetivos e metas crucialmente importantes que foram estabelecidos.
Nossos clientes que adotaram o BSC costumam testemunhar como principal ganho a sensação de controle da situação e de segurança nas tomadas de decisão, visto que agora conhecem a sua empresa em números e sabem sob quais fatores devem atuar para alcançarem suas metas.

Conheça mais sobre o BSC aqui no nosso BLOG! Também queremos saber a sua opinião sobre este artigo. Ficou mais clara a importância e o caminho para escolher indicadores de desempenho relevantes para o seu negócio? Continuamos a conversa, nos comentários abaixo.

Venda mais com estas três dicas

Aumentar o valor médio gasto com seus produtos ou serviços é um dos caminhos para aumentar o faturamento que mais depende de você e da sua equipe. Aqui vamos focar em 3 formas:

Aumente a variedade de produtos

Muitas vezes, o cliente pergunta por um produto ou serviço que você não fornece, não é verdade? Observe estes sinais. Peça para sua equipe registrar sempre que o cliente mencionar um produto ou serviço que gostaria de acessar e, quando perceber um certo volume de pedidos destinado a um deles, faça os caminho necessário: se é um produto, adquira, e se é um serviço, aprenda como ofertá-lo ou contrate quem o possa fazer.

Reformule o produto ou serviço atual

Porque um churros comum custa R$ 5,00 e um churros com Nutela e granulado custa R$ 10,00? Isso se chama agregar valor a um produto já existente! O consumidor percebe estas melhorias e está disposto a pagar por isso. Portanto, busque uma forma de diferenciar mais o produto ou serviço que está disponibilizando no mercado. Esta diferença te permite faturar mais e também é forte aliada na atração e fidelização de clientes!

Crie produtos ou serviços adicionais

Esta também é uma medida que agrega valor aos produtos e serviços já existentes. Vamos dar exemplos simples: um petshop que oferece “banho de chocolate” para os animaizinhos (ou seja, é um banho e tosa que utiliza produtos especiais) ou ainda o serviço de taxidog (buscar os cães na casa dos clientes e os leva de volta). Estes são produtos e serviços adicionais pelos quais se podem cobrar taxas que aumentam o faturamento da empresa e atraem mais clientes.

Então, qual dessas estratégias te serve HOJE? Mãos à obra, FAÇA ACONTECER!

Aproveite o pique de EXECUÇÃO para conhecer uma das metodologias de execução estratégica mais utilizadas por empresas de sucesso no mundo: Balanced Scorecard (BSC), clicando aqui>>>

O que fazer quando o faturamento do negócio está inelástico?

Se você está mesmo levando seu negócio a sério, já sabe qual a média de clientes que atende e de vendas que fecha por dia, semana, mês e ano. Mas o que fazer quando estes números estão um tanto inelásticos? Se você tem recursos para investir, provavelmente está na hora aumentar os pontos de vendas. Te dizemos como.

FILIAIS

Avalie os dados que você tem do seu público. Qual o perfil socioeconômico do seu cliente? De onde eles vem e que lugares eles frequentam? Em quais pontos você pode encontrar mais clientes com este mesmo perfil? Há concorrentes diretos nestes lugares? Faça uma pesquisa de mercado e jogue pra ganhar!

FRANQUIAS

Se a sua marca e produto deram tão certo que ter mais filiais já se tornou uma possibilidade humanamente inviável de você mesmo administrar, está na hora de pensar em se tornar uma franquia. Ser uma franquia é ver a marca idealizada se fortalecer e ganhar espaço no mercado, com a vantagem da diluição dos riscos. Quem acredita na sua ideia tem a oportunidade de investir nela e também faturar com isso, visto que poderá também usufruir das vantagens de iniciar um negócio com uma marca já consolidada no mercado, com clientes fidelizados.

Se o seu caso não for nenhum dos dois, e o volume de vendas não tem sido estimulante, considere mudar de endereço! Às vezes, o aumento do faturamento reside em uma decisão difícil como esta, mas bola frente!
Conte com o seu Assessor Executivo do DAEXE para materializar as novas estratégias e tomar as soluções mais desafiadoras.

Aproveite o pique de EXECUÇÃO para conhecer uma das metodologias de execução estratégica mais utilizadas por empresas de sucesso no mundo: Balanced Scorecard (BSC), clicando aqui>>>

Você aplica a Lei da Tampa na sua empresa?

A lição mais importante na liderança, segundo o renomado conferencista e escritor John C. Maxwell, é a Lei da Tampa: “A sua capacidade de liderança determina o seu nível de eficácia.” Caso sua liderança mereça nota 5 (em uma escala de 1 a 10), então sua eficácia jamais será maior do que 5. Liderança é o “teto de vidro” da realização pessoal.

O mesmo se aplica às pessoas que você lidera.
Já experimentou colocar na panela mais milho de pipoca do que ela é capaz de suportar?
Não precisa ser um grande cozinheiro para saber que das duas, uma: ou boa parte dos milhos não viram pipoca e queimam, ou eles viram pipoca e escapolem da panela.

A lição é a mesma para a LIDERANÇA!
Se sua liderança não estiver sempre crescendo, pode ser uma tampa que bloqueará o potencial do seu pessoal. Por quê? Porque você ensina o que sabe, mas reproduz o que é. Você não pode dar às pessoas o que não tem.
Se quiser aumentar o potencial de sua equipe, você mesmo precisa continuar a crescer! Ou seja, SEU CRESCIMENTO DETERMINA O POTENCIAL DA SUA EMPRESA.

E então, você concorda com a Lei da Tampa e aplica ela na sua empresa? Compartilhe com a gente nos comentários abaixo.

Os 10 mandamentos dos executivos CAMPEÕES

Faça uma autoavaliação sobre sua performance profissional e aplicação de cada uma destas competências em seu cotidiano, lembrando que, saber e não fazer, é o mesmo que não saber.

1) Preparação: já parou para pensar quantas horas por dia os medalhistas olímpicos treinam? E qual foi a última vez que você participou de um treinamento? Está sempre atualizado sobre a concorrência? Conhece as novas técnicas para aperfeiçoar o que faz? Mark Spitz, nadador e vencedor de 11 medalhas olímpicas certa vez explicou: “Muitos querem ganhar, poucos querem treinar”.

2) Alegria e paixão: já que se dispôs a fazer, faça com excelência. Então melhor fazer com brilho nos olhos, alegria, prazer e paixão. “Encontre um trabalho que você ame e não terás que trabalhar um único dia em sua vida.” (Confúcio).

3) Disciplina: fazer o que precisa ser feito, e não fazer apenas o que é cômodo. É preciso atuar e querer mais do que todos os outros. “Você faz suas escolhas, suas escolhas fazem você.” (Steve Beckman).

4) Persistência e comprometimento: apenas 8% das pessoas atingem as metas propostas, ou seja, 92% desistem pelo caminho. “Quem tem um porquê enfrenta qualquer como.” (Viktor Frankl).

5) Superação: quer ser reconhecido como um destaque, saiba que o que é fácil qualquer um faz, já se for difícil, aí é somente para os campeões. “Se não puder se destacar pelo talento, vença pelo esforço.” (Dave Weinbaum).

6) Planejamento: sabe onde quer chegar? Tem isso registrado por escrito? Sabe como, onde e quando vai chegar lá? “Quem falha em planejar, planeja falhar.” (Benjamin Franklin).

7) Trabalho em equipe: os medalhistas costumam valorizar seus líderes, mentores e as pessoas ao seu redor. “O talento vence jogos, mas só o trabalho em equipe ganha campeonatos.” (Michael Jordan).

8) Resiliência: a capacidade de ajustar as velas durante o trajeto, de se fortalecer diante das adversidades. “Você pode se lamentar das circunstâncias ou se preparar para as circunstâncias.” (John woode).

9) Motivação: já foi comprovado cientificamente que uma pessoa motivada e otimista rende mais que o pessimista. “Sem motivação os dons mais raros permanecem estéreis.” (Lévy-Leboyer).

10) Foco e intensidade: “Se você pode sonhar, pode realizar.” (Walt Disney).
Quer ver o sonho se concretizar? Ter alguns períodos de euforia e vontade não trará o troféu desejado. É preciso ser intenso do começo ao fim. Se você resolveu fazer algo, que faça com a determinação e o apetite de um verdadeiro campeão.

Ao analisar estas competências, dá para entender que realmente o sucesso não ocorre por acaso e porque algumas pessoas chegam ao pódio e outras ficam no quase. Vamos continuar esta conversa sobre como sair do “quase”, nos comentários abaixo.

*Este artigo foi escrito originalmente no Blog Administradores e cedido gentilmente os leitores do Blog do DAEXE.