Posts

Os Diferentes Modelo de Organograma

Sua empresa já possui algum modelo de organograma?  Qual o tipo e porque escolheu esse?

Antes de tudo, existem diferentes modelos de organogramas e cada empresa pode escolher aquele que mais se adequar à sua realidade quanto a divisão de funções e cargos. Saiba que não existe um tipo certo ou errado e sim aquele que representa a realidade dos departamento e como eles estão divididos. Quer entender melhor? Leia este artigo e veja quais são esses organogramas e como cada um funciona.

 

Organograma Clássico ou Vertical

Geralmente este é o modelo de organograma mais conhecido, utilizado e tradicional para representar as posições hierárquicas dentro das empresas. Em seu formato possui as caixas de cargos distribuídos por grau de importância, do topo até a base. Nele são apresentadas informações relacionadas a hierarquias e suas funções, fluxo de comunicação entre os cargos e estrutura de atividades de cada setor.

A saber, as vantagens do vertical são de possibilitar maior clareza na hierarquia e na definição de funções, melhora a compreensão do fluxo de trabalho, contribui para plano de carreira, facilita a gestão e capacitação.

Modelo de organograma vertical

Organograma Horizontal

A diferença deste modelo para o vertical é justamente como as informações estão organizadas, porque segue o mesmo padrão mas de forma horizontal, como o próprio nome já diz. Os cargos mais importantes hierarquicamente falando, estão mais para a esquerda e conforme cresce para a direita vai se chegando aos cargos e áreas mais operacionais.

Sendo assim as vantagens de se fazer um organograma horizontal são agilidades na gestão, menos burocracia, ambiente informal, colaboradores engajados e mais focos em projetos.

Modelo de organograma horizontal

Leia também: A Importância de um Organograma Para as Empresas

Circular ou Radial

É um modelo de organograma considerado mais moderno, as informações setorizadas estão num gráfico circular, cada área, cargo e função são separadas por cores específicas. Sendo que os responsáveis ficam no centro e os demais ao redor.

A principal característica do circular não é relacionada a representar hierarquia. E sim, para quem deseja ressaltar o trabalho em equipe, a unicidade entre as divisões e proximidade das áreas. Dessa forma, se este é o objetivo da sua empresa esta com certeza é a melhor representação. Além disso, demonstra a capacidade decisória do líder, por isso ele fica no centro.

Modelo de organograma circular

Organograma Linear de Responsabilidade (ORL)

Já este, é o modelo de organograma que apresenta cada atividade de determinada área e identificando quem é o responsável por cada uma delas. O objetivo é demonstrar as relações entre as diversas atividades, como uma comunicação de linhas cruzadas.

Ou seja, o organograma linear tem uma função diferente dos outros, o qual é de organizar as tarefas e demonstrar a obrigação de cada um dos colaboradores.

Dessa forma, ele gera benefícios como facilitar e identificar de forma mais rápida as atribuições e responsabilidades de cada função. E ainda como é a interações entre as equipes e as respectivas atividades.

Modelo de organograma linear

Organograma Em Barras

Considerado um modelo de organograma menos popular entre as empresas, por meio dele cada coluna é elaborada dentro de um retângulo posicionado na vertical e conforme a hierarquia.  Quanto mais elevado for o nível hierárquico do cargo, maior será a barra a ele destinada.

Não costuma ser muito usado pelas empresas, pois não é possível fazer a ligação entre os cargos. Porém é considerado de fácil compreensão já que as informações são entrepostas de forma direta.

Entretanto, ela possui benefícios como por exemplo auxiliar no momento que precisar reportar problemas e na identificação de responsabilidades. Assim também, permite melhor compreensão como já citado e ainda pode ser aproveitado como ferramenta estratégica.

Modelo de organograma em barras

 

Organograma Matricial

Modelo muito útil para representar estruturas temporárias, que serão formadas por uma ou mais unidade de trabalho e que atuarão juntas no projeto. Também é utilizada por consultores para ilustrar parte de um trabalho. Costuma ser bastante utilizado pelas empresas por conta da sua flexibilidade e adaptação para execução de tarefas.

Dentre suas vantagens estão a ligação entre os departamentos, auxilia no controle de resultados, proporciona um quadro flexível, colabora para o ambiente ter mais fluidez, todos funcionários podem participar das tomadas de decisões.

Modelo de organograma matricial

Veja também:Como bons processos de gestão ajudam a engajar a equipe?

Organograma Funcional

Muito utilizado atualmente e bem semelhante ao vertical, porém esse modelo de organograma, representa as relações funcionais e não hierárquicas. É o mais racional de todos os modelos.

Desse modo seus benefícios são permitir que todos conheçam a estrutura organizacional da empresa, colabora e facilita o trabalho em equipe, mais flexibilidade na execução das atividades, processos mais estruturados e informações centralizadas.

Modelo de organograma funcional

Portanto, o organograma de uma empresa é uma ferramenta essencial para representar a gestão administrativa de cada organização. Esse é um artifício importante para que seus colaboradores, fornecedores, clientes e parceiros tenham consciência da estrutura administrativa da sua empresa.

Além disso, facilita o entendimento para execução de tarefas e como cada departamento e cargos funcionam.

Uma dica é que na elaboração dos organogramas é importante determinar os cargos e funções, depois organizá-los. Assim facilita para quem for fazer a distribuição.

Gostou do nosso artigo? Compartilhe nos comentários suas experiências.

 

Rafaela de Souza Batista

Bacharela em Comunicação Social – Publicidade e Propaganda. Redatora e Produtora de Conteúdo para Web. Ama escrever e criar coisas novas. Uma estudiosa sobre o comportamento do consumidor e as novidades da área do marketing.

O Que é Design Thinking e Como Aplicar

Antes de mais nada, Design Thinking segundo Charles Burnette “é um processo de pensamento crítico e criativo que permite organizar as informações e ideias, tomar decisões, aprimorar situações e adquirir conhecimento.”

Nossa, parece ser algo inovador não é mesmo? Digamos que é mesmo, pois com ele buscará enxergar os problemas de outra maneira e desenvolver as melhores soluções possíveis, baseados nas abordagens mentais dos designers.

 

Como surgiu o Design Thinking?

Primeiro de tudo, isso aconteceu por volta de 1991 quando a IDEO foi fundada. Uma consultoria de inovação o qual começou utilizando a abordagem para resolver problemas e assim ficou ficando famosa no vale do silício.

Sendo que quem criou foram dois professores da universidade de Stanford David Kelley e Tim Brown, eles que fundaram a consultoria. Além disso, lançaram um livro em 2009 “Design Thinking – Uma Metodologia Poderosa Para Decretar o Fim das Velhas Ideias” que virou até bestseller.

Leia também:A importância da inteligência competitiva para a sua empresa

Para que serve o Design Thinking? Como funciona? E quem usa?

Primordialmente, Design Thinking serve para muitas coisas como: criar novos produtos e serviços, criar novos projetos, desenvolver novas ferramentas, criar novas marcas, etc.

Dessa forma ele funciona para desenvolver soluções de problemas como já dito anteriormente. Sendo um conjunto de práticas e processos, com foco está nas experiências das pessoas, principalmente do consumidor para busca de respostas.

Já que esta observação irá gerar insigths para entender o que as pessoas querem e precisam. A partir disso é que surge o desafio, para de forma criativa criar as necessidade e desejos por meio de um trabalho colaborativo.

Contudo, quem usa dessa abordagem são geralmente as empresas tanto de pequeno, médio ou grande porte, até mesmo microempresários. E pode ser nas mais diversas áreas como educação, saúde, governo, alimentação, eletrônicos, dentre outros.

Etapas do Design Thinking

Vejamos agora as etapas para realização do Design Thinking.

Imersão – Criar empatia ou compreender: Conhecer o problema e tudo o que o envolve, compreender o contexto e ação do outro e além de si mesmo. Pode fazer análise swot, beachmarking, por exemplo.

Análise e síntese – Com as informações que foram coletadas, é hora de definir fazer a delimitação do problema, o que precisa ser criado e resolvido. Pode ser feito uma representação gráfica ou organograma para ajudar

Ideação – é hora de dá ideias para resolver o problema. Podem ser feitos Brainstormings, workshops de co-criação para colaborar na geração de insights.

Prototipagem e teste – Definir ideias e criar protótipos para ratificar a ideia/criação. Pode ser desenvolvido por meio de desenhos, maquetes ou ainda algo que represente ou esteja próximo d;a ideia. E teste para ter certeza que irá funcionar.

Implementação – Desenvolva a solução encontrada, e entenda que este pode ser um processo contínuo e incremental.

Ferramentas do Design Thinking

A saber, existem algumas ferramentas importantes e essenciais na criação deste processo, como:

Duplo diamante – um processo de estímulo para criar soluções que possam permitir compreender o contexto.

Caderno de sensibilização – Sugerido para a primeira etapa a de imersão. Servirá para registrar dados importantes.

Entrevista – Para obter dos clientes informações que sejam relevantes.

Personas – representações de pessoas fictícias criadas a partir do seu público-alvo.

Veja também:Entenda o que é e como funciona a estratégia Account – Based Marketing

Benefícios:

  • Incentiva a criatividade;
  • Aproximação com o cliente;
  • Estimula a empatia;
  • Tem ótimo custo-benefício;
  • Oferece respostas;
  • Senso de-copropriedade;
  • Possibilita investir com segurança;
  • Fortalece a cultura organizacional.

Cases de Sucesso

UberEats – O UberEats levou os motoristas de Uber para um novo nicho: o delivery de restaurantes. Com uma imersão de grandes proporções, cerca de 80 cidades ao redor do mundo, foram ouvidos desde os donos de restaurantes aos clientes. A prototipação e os testes passaram pela abordagem do design thinking e hoje o UberEats já disputa o espaço de outros aplicativos que já estão há mais tempo no mercado.

Natura – A Natura, empresa de cosméticos, utilizou o design thinking na prática para desenvolver novas soluções em produtos e serviços, a marca buscava adotar uma abordagem leve e divertida para fortalecer o relacionamento com o público jovem, e todo o processo foi desenvolvido tendo como foco as necessidades e a experiência dos consumidores; tudo isso de maneira colaborativa e inovadora.

Gostou do nosso artigo? Compartilhe nos comentários suas experiências.

 

Rafaela de Souza Batista

Bacharela em Comunicação Social – Publicidade e Propaganda. Redatora e Produtora de Conteúdo para Web. Ama escrever e criar coisas novas. Uma estudiosa sobre o comportamento do consumidor e as novidades da área do marketing.

 

A Importância de um Organograma Para as Empresas

A saber, organograma é uma ferramenta muito utilizada nas empresas para auxiliar na estruturação dos negócios. Deixando os processos e funções desempenhadas pelos funcionários de forma mais clara e objetiva. Quer entender melhor sobre isso? leia e saiba mais no nosso artigo.

 

O que é Organograma?

Primeiro de tudo, é preciso explicar que organograma é uma representação gráfica que ilustra, de modo simplificado, a estrutura hierárquica de uma instituição, seja ela uma empresa, um órgão público, uma associação, dentre outros. Sua principal característica é demonstrar como se compõem os cargos, as funções, os setores e além disso serve também como instrumento de comunicação.

Desse modo na formação da sua estrutura é possível apresentar desde o cargo de presidente até o menor nível operacional, sendo divididos por cadeias hierárquicas. E partir disso, é delimitado as responsabilidades e limites dentro da empresa. Não é costume utilizar nele o nome de cada um dos colaboradores e sim cada cargo ocupado, ou dividir por setores.

Leia também:Planejamento e Organização do Departamento Financeiro Como Fazer?

Os Formatos de um Organograma

Primordialmente existem diferentes formatos de organogramas, mas todos possuem os mesmos componentes importantes. E com o mesmo objetivo para poder entender melhor a estrutura dentro da empresa. Vejamos a seguir quais são eles:

Linhas de Comunicação – são linhas contínuas que interligam cargos ou áreas da empresa. Essa linha indica que existe uma hierarquia direta entre esses departamentos.

Unidades de Trabalho, cargo ou área – são as caixinhas. Nelas que você vai escrever quem está sendo representado

Hierarquia – em geral a linha de hierarquia funciona de cima para baixo, da esquerda para a direita ou de dentro para fora.

Divisão Horizontal do Trabalho – Cargos ou áreas em uma mesma linha indica que tem nível hierárquico similar.

Passo a Passo para Elaboração

De conformidade, para estar facilitando a elaboração de um organograma seria de suma importância seguir alguns passos que auxiliaram neste processo.

1º Passo: Separe as funções exercidas por cada um dos funcionários da sua empresa. Isso é importante porque nas empresas menores é comum que uma única pessoa assuma diferentes cargos.

2º Passo: Assinale quem está no comando de cada setor e quem lidera o nível estratégico. Uma boa dica é separar cada nível hierárquico por uma cor diferente.

3º Passo: Depois é hora de oficializar o documento com o setor administrativo e todos os colaboradores. Para melhor absorção, é essencial que o organograma seja colado em um local visível e acessível para todos os gerentes e funcionários.

Como Montar o Organograma da Minha Empresa?

Certamente essa deve ser a dúvida de muitas pessoas sobre como estar montando a estrutura de um organograma, qual programa ou ferramenta para se utilizar.

Neste caso, pode utilizar por exemplo o Excel, inclusive é um dos programas mais usados para fazer isso. Já que o próprio possui até mesmo modelos prontos, que podem facilitar ainda mais esse processo e principalmente para quem não domina esta metodologia.  Além disso, também pode ser feito por meio de ferramentas de gestão ou online ou aplicativo.

Entretanto, lembre-se que a pessoa que for montar a estrutura e organizá-la deve conhecer muito bem cada área da empresa. Ou seja saber quem são funcionários e o departamento de cada um deles, para que não aja erros.

Vantagens:

  • Informações organizadas
  • Visão sistêmica
  • Mostra os pontos de melhoria e os pontos de qualidade
  • Envolvimento dos colaboradores
  • Processos padronizados

 

Gostou do nosso artigo? Compartilhe nos comentários suas experiências.

 

Rafaela de Souza Batista

Bacharela em Comunicação Social – Publicidade e Propaganda. Redatora e Produtora de Conteúdo para Web. Ama escrever e criar coisas novas. Uma estudiosa sobre o comportamento do consumidor e as novidades da área do marketing.

Planejamento e Organização do Departamento Financeiro Como Fazer?

Sabes como organizar um departamento financeiro? Como e por onde começar? O passo a passo e o que preciso ser feito? O que utilizar? Benefícios? Vantagens? E fazer seu planejamento?

Dessa maneira, estaremos respondendo à todas essas perguntas artigo, que produzimos especialmente para te ajudar na organização do departamento financeiro da sua empresa. E ainda como fazer o planejamento deste setor tão importante.

 

Organização, por onde começar?

Primeiramente deve-se começar pelo controle financeiro da empresa, o qual tende a ser uma bagunça quando não é acompanhado de perto. Por isso, é importante organizar e planejar toda gestão financeira de uma empresa focando naquilo que realmente importa.

A saber, gestão financeira é um conjunto de ações realizadas dentro de uma empresa para melhorar os seus resultados. Além de manter os dados atualizados relativos ao que está acontecendo na realidade atual, comparando com o planejamento financeiro da empresa para o ano, por exemplo.

Todas as ações que impactam a vida financeira da empresa fazem parte do conjunto que define o que é controle financeiro. Desde o comando de contas pendentes/inadimplência (a receber e a pagar) e fluxo de caixa, até planejamento do orçamento anual, precificação de produtos, entre outros.

Portanto, ter o controle pode também significar possuir um setor financeiro organizado, com dados e relatórios que permitem aos gestores tomar decisões com base em dados reais. Além de saber a tendência financeira da empresa em relação a lucros e prejuízos, investimentos tanto na visão por caixa ou por competência.

Leia também: Diferença entre custos e despesas

O que utilizar na organização do departamento?

  • Possuir um software de gestão financeira

Pois, este é um sistema que irá colaborar para que possa economizar dinheiro e conquistar seus objetivos. Ao possuir um software que faça sua gestão financeira, poderá sobrar mais tempo para outras atividades, como as operacionais, por exemplo.

  • Elaborar um plano de contas e DRE gerencial

Sendo assim, administrar um negócio torna-se uma tarefa mais fácil quando você possui um plano de contas gerencial. O modelo do plano auxilia a estruturar e organizar todos os dados financeiros existentes sobre a empresa. Você passa a ter não apenas o controle, mas também conhecimento do seu negócio a partir do plano.

  • Ter política e controle de contas a pagar e a receber

Dessa forma, havendo um controle eficaz, é possível avaliar como seu capital rodou no passado e como está no presente. Desta maneira consegue identificar falhas e despesas desnecessárias.

  • Ter uma conciliação bancária

Nada mais é que a simples conferência das contas bancárias em relação ao controle financeiro interno da empresa. O objetivo é verificar se o controle interno está sendo eficiente ou se há inconsistência nos dados registrados. É uma forma de passar um pente fino, verificando se as datas e os lançamentos estão em conformidade com o extrato do banco.

  • Fazer o inventário e conciliação de estoque

Primordialmente, o inventário é recomendado para todo tipo de empresa que precisa fazer um gerenciamento de estoque. Principalmente as empresas do ramo de comércio e varejo como supermercados, farmácias, padarias, lojas e dentre outros.

Enquanto, a conciliação é importante para toda e qualquer empresa, independente do negócio. Principalmente por dois motivos: o primeiro é correta contabilização do patrimônio empresarial, e o segundo e a gestão de custos.

  • Possuir política de compras

Assim sendo, a política de compras orienta nas decisões do que comprar, quando comprar, ajustes de pedidos e valores dos produtos que estão no estoque por meio da programação financeira e compras.

  • Elaborar orçamento empresarial

Já que o orçamento empresarial é fundamental porque evita riscos, uma vez que aponta se novos investimentos (em equipamentos, aluguéis, reformas, etc) são possíveis, antes que a compra o contrato seja efetuado.

  • Utilizar indicadores de desempenho

Numa boa gestão contábil, é preciso ter em mãos dados preciso, transparentes e reais sobre os negócios. E todas essas informações são fornecidas por meio de demonstrativos financeiros, como o balanço patrimonial, demonstrativos de resultados e de origem de aplicação de recursos.

Planejamento Financeiro

O planejamento financeiro é essencial numa empresa, principalmente se ela almeja organizar os lucros. É considerado um grande desafio, mas que com certeza vale muito a pena.

Primeiro de tudo, ele buscará controlar os gastos da empresa para que tenham uma noção real das despesas e receitas. Além disso, serão feitos relatórios das finanças, verificação do fluxo de caixa, análise de orçamentos, dentre outros. Por isso, quem se responsabiliza por este departamento deve-se exigir muito conhecimento e técnica em gestão financeira.

Veja mais: Planejamento Estratégico: O que é?

Passo a passo Para Realização do Planejamento

Primeiramente, é recomendado que se alinhe o planejamento estratégico com o financeiro. Isso porque um ajuda e complementa o outro, principalmente quanto a metas e estabelecimento dos objetivos.

Assim também, planeje a curto, médio e longo prazo, para poder guiar as ações da empresa com foco no crescimento.

Realize um diagnóstico financeiro, pois ele permitirá que se identifique os prejuízos e lucros existentes no fluxo de caixa. Também serve para análise financeira principalmente se tratando de justificativa e avaliação de gastos na tomada de decisão. E assim a empresa poderá se preparar para diversos cenários econômicos.

Traçar um plano de ação, definindo metas e objetivos, fazendo mapeamento dos projetos e ainda desenvolvendo um cronograma para cada ação. Isso auxilia no controle das finanças.

Defina o orçamento anual, com os valores mais realistas possíveis. Compare o que foi recebido, com o que está sendo gasto.

Fazer a medição do retorno financeiro por meio de indicadores que possa obter resultados realistas. O qual poderá identificar as melhores oportunidades no mercado, prevendo os custos mais eficazes, demostrando o melhor momento de colocar as ações em prática e fazer aplicação em investimentos.

Utilização de softwares pode ser um aliado importantes para casos como planejamento financeiro. Pois nele são permitidos armazenar dados, como contas a pagar e a receber, acompanhar as metas, otimizar o fluxo de caixa, etc.

Mensuração de resultados, que certamente ajudará na avaliação do mercado, tomar decisões e consertar erros.

 

Benefícios e Vantagens

  • Controle de caixa
  • Corte de gastos desnecessários
  • Redução de custos
  • Automação das operações
  • Agilidade nos resultados
  • Redução de erros
  • Processos mais eficientes
  • Previsão para o futuro
  • Tranquilidade na gestão
  • Planejamento e acompanhamento do ROI (Retorno sobre investimento)
  • Diminui o estresse
  • Aumento na segurança de dados
  • Informações reais
  • Auxílio na tomada de decisão
  • Vantagens competitivas.

 

Gostou do nosso artigo? Compartilhe nos comentários suas experiências.

 

Rafaela de Souza Batista

Bacharela em Comunicação Social – Publicidade e Propaganda. Redatora e Produtora de Conteúdo para Web. Ama escrever e criar coisas novas. Uma estudiosa sobre o comportamento do consumidor e as novidades da área do marketing.

Como organizar minha empresa em 7 dias

 

Como organizar minha empresa em 7 dias

Iniciar um negócio requer a união entre conhecimento, gestão e eficiência. Para quem se pergunta “como organizar minha empresa?”, essa resposta pode ser obtida com alguns tópicos.

Para garantir a organização correta da sua empresa, é importante seguir algumas etapas. Isso inclui desde a definição dos valores da sua empresa, como a elaboração de um orçamento estratégico.

 

Modelos de negócios e SWOT

Conhecido como “Canvas”, o Business Model Canvas é, na verdade, uma ferramenta para auxiliar na montagem de um modelo de negócios. Nele, é possível encontrar mapas pré-formatados para serem utilizados na empresa.

A tela do Canvas apresenta os seguintes pontos:

  • Proposta de valor;
  • Parcerias chave;
  • Atividades chave;
  • Relações com clientes;
  • Segmentos de mercado;
  • Recursos chave;
  • Canais;
  • Fontes de renda;
  • Estrutura de custo.

Veja também: O poder da análise SWOT para as empresas

O modelo apresentado pelo Canvas facilita não apenas para o administrador, mas como todos os funcionários. Aliado à análise SWOT, o modelo de negócios potencializa ainda mais a criação da sua empresa.

SWOT é uma sigla em inglês para as seguintes palavras: Forças, Fraquezas, Oportunidades, Ameaças. Elas servem como base para construir as estratégias da empresa, analisando os próprios potenciais e dos concorrentes.

A análise SWOT é uma das melhores ferramentas para identificar no que a empresa deve apostar ou melhorar. Ela identifica as forças, mas também as oportunidades. O seu principal benefício é o fato de oferecer um embasamento para as mudanças.

 

Organizar minha empresa com MVV

O MVV representa Missão, Visão e Valores da sua empresa. Essas palavras buscam fazer a diferença ao contagiar todo o grupo de trabalho. No caso da Missão ela deve definir como o serviço acontecerá ao longo do dia de trabalho.

Já a Visão representa os objetivos, onde a empresa deseja estar no futuro. Normalmente a Visão é definida com objetivos a longo prazo com base nos resultados desejados. Ela é determinante para definir também o foco da empresa para vencer os desafios.

Os Valores, portanto, são associados à ética. Ele será o norteador das ações da empresa com respeito à ética pré-definida. Isso diz respeito tanto ao relacionamento entre funcionários quanto com clientes.

Organizar minha empresa: do mapa estratégico ao orçamento

Um mapa estratégico é uma das etapas que deve ser fundamental quando você pensa: “como organizar minha empresa?”. Através dele você definirá o que é realmente importante para a sua empresa. Ele também permitirá que você avalie o andamento dela rotineiramente.

No mapa estratégico você deverá ilustrar cada área/setor da sua empresa. Assim, aponte os objetivos sob as perspectivas Financeira, dos Clientes, Processos Internos e Inovações e Pessoas.

De fato, você deverá ter um objetivo principal, que deve ser norteador pelo MVV da sua empresa. Pense em cada uma dessas áreas a partir dos recursos que possui e, principalmente, onde a sua empresa deve chegar e como trabalhará para isso.

A sua empresa precisará de foco para atingir as metas desejadas. O ideal é que cada área e colaborador tenha as suas metas bem definidas justamente para não perder o foco. Cada projeto deve ter um objetivo para que possa mapear exatamente os principais processos do negócio e de cada departamento.

Não se esqueça do orçamento estratégico ao organizar a sua empresa. Inclua nele os seguintes itens:

  • Receitas;
  • Despesas;
  • Custos;

 

É importante também que você reavalie esse orçamento pelo menos uma vez por ano. Dessa forma poderá avaliar o andamento da sua empresa com muito mais embasamento.

Você tem certeza que está executando seu planejamento estratégico ?

Política de recompensa aos colaboradores

Os colaboradores são os responsáveis por fazerem a sua empresa progredir. Por isso, lembrar de incluir uma política de recompensa para eles é tão importante.

Procure estipular um tipo de recompensa para o alcance de cada objetivo proposto no plano estratégico. Além de motivar ainda mais a sua equipe, você passará a mensagem de que trata todos igualmente. Essa é uma forma de fazer a equipe trabalhar mais e promover a harmonia.