Posts

Inventário de Estoque

O que é Inventário de Estoque e Porque deves Começar a Fazer já!

Você consegue mensurar o estoque da sua empresa? Ele é bem organizado? Se a resposta é não, é porque você ainda não possui um controle do seu estoque. Pois saiba que estoque é dinheiro e deves controlar o seu estoque como controlas o dinheiro da sua empresa.

Desse modo este artigo irá explicar tudo que precisa saber sobre o seu estoque e entender como estar o organizando e mensurando-o.

Mas o que é o Inventário de Estoque?

Primeiro de tudo, inventário de estoque é uma prática utilizada por meio da identificação, classificação e contagem de produtos armazenados. O objetivo desta prática é conferir se todas as informações estão de acordo com a realidade do que foi dado como saída e entrada de mercadorias.

A partir disso, é possível manter uma organização que irá constatar quais são os produtos que possui maior importância. E ainda, quais são os que trazem mais lucros para a empresa. Por outro lado, também é possível saber exatamente que produtos estão encalhados, danificados ou vencidos.

Dessa maneira, o inventário de estoque deve ser o mais completo possível com máximo de informações de cada mercadoria.

Quem deve Utilizar do Inventário de Estoque?

De conformidade, o inventário é recomendado para todo tipo de empresa que precisa fazer um gerenciamento de estoque. Principalmente as empresas do ramo de comércio e varejo como supermercados, farmácias, padarias, lojas e dentre outros.

Este é um recurso para identificar possíveis erros e evitá-los, além de buscar garantir que a armazenagem esteja funcionando como se deve. A realização deste controle não é algo difícil, mas é muito trabalhoso. Já que terá que contar todos os itens.

Leia Também: O que é um Plano de ação, e como fazer ?

Quais os Tipos de Inventários?

A saber, existem cinco tipos principais de inventários, sendo que cada empresa deve utilizar daquele que melhor se adequa às suas expectativas.

Inventário Geral – É o mais completo e demorado, pois abrange a contagem e identificação de todos os bens do almoxarifado, insumos, mercadorias, maquinários, entre outros. Em geral é utilizado pela área contábil da empresa para avaliar e atualizar o patrimônio.

Rotativo – tipo de inventário o qual processo exige que o estoque seja submetido à uma contagem predeterminada (semanal, quinzenal, mensal ou até diariamente). Dessa forma, os dados devem ser atualizados em intervalos de tempos predefinidos. É muito usado por empresas com alto giros de mercadorias.

Periódico – É realizado no final de um período determinado pela empresa. Com o objetivo de atualizar dados do sistema de estoque, corrigindo possíveis falhas e elaborar demonstrativos mais detalhados.

Cíclico – Parecido com o rotativo, porém busca fazer ajustes periódicos entre a quantidade de bens e as informações utilizadas em lançamentos contábeis. Este é para dá segurança a base de dados das empresas, atendendo as necessidades da gestão, evita possíveis extravios e controla os níveis de estoques.

Parcial ou dinâmico – A contagem acontece apenas com uma parte específica dos bens das empresas. Por exemplo, armazém que o foco do controle de estoque é um conjunto predeterminado de mercadorias.

Anual – Refere-se a contagem de bens e mercadorias de uma empresa ao final do ano fiscal. O qual corresponde janeiro a dezembro, que serve para realizar o balanço anual.

Qual a importância do Inventário de Estoque?

O inventário de estoque é importante por diversos fatores, porém entre eles a otimização dos clientes é o mais fundamental.

E o que isso significa? É que com a organização do estoque, catalogado, classificado e com prateleiras ordenadas, o cliente encontrará mais rápido o que ele deseja.

Além disso, a organização das mercadorias reduz perdas, evita desperdícios e diminui custos. Outro ponto importante é que com estoque bem organizado e corretamente monitorado colabora para que a empresa possa ficar em dias com a legislação.

Veja também: A Importância de um Organograma Para as Empresas

Então, Como Fazer um inventário?

Certamente, agora quer saber como estar fazendo o inventário de estoque da sua empresa. Veja esses tópicos que separamos que podem te auxiliar nesse processo:

  • Primordialmente organize os tipos de mercadorias que estão no estoque e faça uma lista separando cada tipo de produto.
  • Coloque um código em cada tipo de produto, inserindo um número para cada mercadoria.
  • Faça uma classificação dos produtos e seus preços. Anote na lista de inventário quanto cada mercadoria pesa, qual o tamanho, cor, preços e outras informações.
  • Registre no relatório de inventário possíveis perdas, roubos ou devoluções.
  • Reserve dia e horário para este processo. Agende um dia tranquilo de preferência que não tenha movimento na empresa.
  • Por fim, utilize software de gestão. Pois ele irá ajudar a manter todas as informações do inventário atualizadas sempre que uma compra for efetuada.

Entendeu como é importante que se faça o inventário de estoque? Pois a partir dele você não será terá apenas o controle de cada mercadoria, mas também evitará custos desnecessários. Verá quais produtos trazem mais retornos e os que não tem essa mesma rentabilidade. E ainda ajudará seus clientes a encontrar de maneira mais rápida o que procura.

Gostou do nosso artigo? Faça um inventário de estoque e compartilhe nos comentários suas experiências.

 

Rafaela de Souza Batista

Bacharela em Comunicação Social – Publicidade e Propaganda. Redatora e Produtora de Conteúdo para Web. Ama escrever e criar coisas novas. Uma estudiosa sobre o comportamento do consumidor e as novidades da área do marketing.

excelência-operacional

Como Buscar Melhorias no Departamento Operacional de uma Empresa

Como anda o setor operacional da sua empresa? Está 100% ou necessita de alguma melhoria? Saiba que este assim como qualquer outro departamento, além de ser muito importante merece atenção devida e não pode ser abandonado.

Por isso, neste artigo iremos abordar como funciona o departamento operacional e que melhorias deve estar buscando constantemente.

 

Departamento Operacional o que é? E Como Funciona?

Primeiro de tudo, o departamento ou setor operacional também é conhecido por setor técnico ou de produção. O qual tem como função administrar os processos de transformação dos insumos em produto final.

É de sua responsabilidade o controle da entrada e saída do que se refere a matéria-prima. Além também de dá o suporte logístico, fazer a gerenciamento do uso de máquinas e equipamentos e ainda acompanhar o nível de produtividade da empresa.

Para entender melhor, veja os principais pontos que este setor é responsável

  • Administrar a rotina do dia a dia das operações de entrega de um produto e/ou serviço;
  • Analisar se as atividades do dia a dia estão sendo realizadas dentro do prazo;
  • Verificar se as atividades estão cumprindo um índice mínimo de qualidade;
  • Observar se as atividades estão sendo realizadas sem desperdício;
  • Identificar gargalos e travas que impedem a realização das atividades do dia a dia;
  • Averiguar melhorias nos processos de entrega das atividades do dia a dia.

Portanto, ele visa principalmente garantir que todas as operações e procedimentos ocorra como o estipulado e buscando evitar imprevistos.

Desse modo, três pontos importantíssimos deste departamento devem ser avaliados e   acompanhados criteriosamente. São eles: processos, qualidade e logística, pois compõe toda função exercida de quem trabalha na parte de operações.

Leia também: Metodologia 5S – Veja a sua importância e porque implementar na sua empresa

Processos

Antes de mais nada, sua empresa compreende seus processos de negócios e busca registrá-lo?

Se a resposta desta pergunta é não, o primeiro passo será mapear os processos, principalmente quanto aos pontos mais críticos aqueles que afetam diretamente seus lucros.

Para isso, reveja seus objetivos estratégicos pois eles devem ser o ponto de partida do seu trabalho para criação do seu mapeamento.

Agora, como controlar esses processos? Na sua execução busque ter um padrão de execução e um controle nos seus cumprimentos, utilize se necessário indicadores de desempenho e auditoria. Lembrando que tudo deve estar de acordo segundo os objetivos, metas e estratégias e que deve haver um monitoramento constante.

Assim também, pode estar fazendo o uso de tecnologia nos processos como por exemplo serviços de compartilhamento de dados ou software de gestão.

Em relação o gerenciamento de compras deve-se ter uma base a partir de cotações de preços de vários fornecedores, assim avalia-se custos x benefícios. Verifique ainda forma de pagamento e prazos de entrega.

Uma dica interessante é ter um gestor de processos ou até mesmo vários gestores um para cada grupo de processo. Porque assim, consegue um controle maior e mais rígido.

Qualidade

Quando falamos de qualidade no setor operacional de uma empresa é um ponto crucial e de extrema importância. Por isso, já coloque como fundamental ter um rígido controle, mas e como fazer isso?

Primeiro de tudo, conheça e siga todas as regulamentações da área que sua empresa pertence. Confira exatamente como funciona as regras dos órgãos regulamentadores. Saiba que o não cumprimento das regras leva até mesmo a punições.

Outro fator importantíssimo para se manter o rígido controle de qualidade nas operações é entregar todos seus produtos ou serviços no prazo. Assim facilita a retenção de clientes, já que eles costumam ser bem criteriosos quanto a isso.

Além disso, tenha um serviço de feedback ou de atendimento pós compra para o cliente.  Podendo por meio dele utilizar as informações para melhorar ainda mais os serviços prestados. E ainda servirá para passar uma certa segurança quando o cliente for realizar outras compras.

Logística

Quanto a logística o primeiro ponto a se analisar são as políticas para escolha de fornecedores e o seu relacionamento com os mesmos.

Sendo assim, é preciso estabelecer critérios na hora de escolher seus fornecedores, como por exemplo verificar qualidade, quantidade, prazo e entrega. E mesmo após escolher seu fornecedor pode qualifica-lo e avalia-lo a partir dos pós compra e não precisa ser apenas uma vez, pode ser feito em períodos periódicos. Comunique como eles estão sendo avaliados dentro da empresa, isso é bom até mesmo para se manter o relacionamento.

Costuma realizar o controle de estoque? Saiba que isto é necessário principalmente para ter uma base de levantamento dos produtos existentes.

Dessa maneira, o controle de estoque pode ser feito por meio de um inventário de forma periódica para que sempre esteja atualizado.  Assim, é possível calcular recompras de produtos evitar faltas ou excessos de itens.

E a entrega dos produtos é feito pela empresa? Se este serviço for terceirizado é aconselhado que o mesmo venha ser feito pela própria empresa. Isso porque quando terceirizado torna-se complicado fazer o gerenciamento desta área.

E quanto a taxa de perdas de produtos? Caso se mantenha alta isso pode trazer sérios problemas. Por isso, uma medida a ser tomada é controlar entregas e alterar formas de prazos e pagamentos se for necessário.

 

Diante disso, tente aplicar essas melhorias no departamento operacional da sua empresa e aos poucos sentirá a diferença.

Gostou do nosso artigo? Compartilhe nos comentários suas experiências.

 

Rafaela de Souza Batista

Bacharela em Comunicação Social – Publicidade e Propaganda. Redatora e Produtora de Conteúdo para Web. Ama escrever e criar coisas novas. Uma estudiosa sobre o comportamento do consumidor e as novidades da área do marketing.

Data-Science-vs.-Big-Data

BIG DATA e DATA SCIENCE NA MINHA EMPRESA

Na era da informação todo dia surge uma coisa novas não é mesmo? Por isso é preciso estar sempre atualizado, e é a tecnologia quem nos auxilia para não ficarmos para trás. Sendo assim já ouviu falar em Big Data e no Data Science?

São programas de armazenamento e organização de dados, que podem estar auxiliando sua empresa em atividades do dia a dia. Como por exemplo, para que dados não se percam e que seja processado de forma rápida.

Quer saber como? Este artigo estará explicando sobre estes programas, a sua importância e como estar utilizando dentro do seu negócio.

O que é Big Data

Primeiramente você sabe o que é Big Data?

Ele é um sistema de banco de dados que serve para analisar grandes volumes de informações estruturados e não estruturados. Sabe aquela imensa quantidade de informações que são processados pelos softwares que sobrecarregam os sites? Então, o Big Data é o Insight para organiza-las de maneira estratégica.

Além disso, também processa aqueles dados que possuem complexidade e que normalmente processadores tradicionais não conseguem fazer ou demoram bastante.

Os 5V´S

A base do Big Data é formada por meio do chamado 5 V’S: velocidade, volume, variedade, veracidade e valor.

  • Velocidade – diz a respeito aos dados que devem ser transmitidos sem precedentes e de forma hábia.
  • Volume – é referente as organizações que coletam dados de fontes variadas, como por exemplo as transações financeiras.
  • Variedade – se trata de dados produzidos com diversos formatos.
  • Veracidade – é relacionado a fontes e qualidade dos dados.
  • Valor – é o benefício que as soluções vão trazer para empresa.

Leia também: O Que é Design Thinking e Como Aplicar

Passo a Passo do seu Processo

Para que possa entender melhor como funciona o Big Data este passo a passo explica como é realizado o seu processo.

 

1 – Coleta de dados: Pode ser utilizada diversas fontes como Datawarehouses, por exemplo.

 

2 – Armazenamento de dados: É a distribuição em sistemas e servidores diferentes. A partir disso, é garantido que cada informação exista um backup. Para o armazenamento é necessário que aja uma boa estrutura física ou uma contratação em nuvem.

3 – Organização: Cada categoria será organizada de acordo com a sua estrutura. Sendo estruturada, semi-estruturada e não-estruturada. Para que facilite o acesso e a análise das informações.

4 – Análise dos dados: É aonde ocorre a extração das informações e a interpretação baseadas em conceitos de negócios e estatísticas para verificar quais dados serão úteis.

O que é Data Science

Já o Data Science também conhecido como ciências dos dados, é o estudo das informações, do processo de captura, transformação, geração e análise dos dados. A partir disso, tira-se o conhecimento necessário dos dados em diversas formas que são fornecidos pelo Big Data ou qualquer outro sistema.

Desse modo, são responsáveis por essa atividade os cientistas de dados que por meio das disciplinas como computação, estatísticas, programação e matemática, procuram por formas novas para realizar atividades relacionadas a limpeza, preparação e organização de dados.

Passo a Passo

Para entender como funciona o Data Science vamos alguns pontos cruciais que são utilizados no processo deste trabalho. E que o mesmo venha a ser realizado obtendo resultado satisfatório.

Assim sendo, a ciência de dados juntamente com auxílio do Big Data retira as informações que são remodeladas e organizadas. Abaixo tem um passo a passo do que é feito no Data Science.

1 – Obtenha mais informações: Pegue toda e qualquer informação que conseguir como ações, horários, preços, produtos, etc.

2 – Faça perguntas inteligentes: As perguntas devem ser precisas para que receba respostas satisfatórias.

3 – Coloque os dados em uma tabela: A maioria dos algoritmos de aprendizado de máquina pressupõe que os seus dados estejam em uma tabela. Cada linha será um evento ou item ou instância.

4 – Verifique a qualidade: Confira os dados nos mínimos detalhes, pois caso encontre erros possa estar fazendo as devidas correções e em casos de dados desnecessários possam ser excluído. E ainda se ambientar com cada linha e coluna.

5 – Transforme as características: Antes de entrar na aprendizagem da máquina há uma etapa que é a engenharia das características. Nesta etapa irá pegar características que já possua e combinar de maneira criativa para que realize a melhor previsão do seu objetivo.

6 – Responda as perguntas: Esta é a etapa que chega na aprendizagem da máquina. Agora é a hora de decidir a qual família de algoritmos a sua pergunta pertence. Escolher um ou mais algoritmos dentro dessa família para usar e, em seguida, girar a manivela, usando as técnicas de aprendizagem de máquina tradicionais de dividir os dados em treinamento, adaptação e teste de conjuntos de dados e otimizar os parâmetros em qualquer modelo de sua escolha.

7 – Use as respostas: Coloque os dados em um formulário para que as pessoas possam usar seja para uma tomada de decisão ou para aprender algo que ainda não saibam.

Veja também: CRM o que é e porque implementar?

Então, porque deve-se usá-los e seus benefícios

É preciso entender que a importância de se usar o Big Data é relacionada ao que se faz com os dados, não com a sua quantidade. Já que com ele é possível obter várias fontes e analisa-las. E dentre seus benefícios é possível reduzir custos, economizar tempo, dentre outros.

O Data Science é como uma pesquisa em que participa da formulação do problema, da hipótese e da análise de resultados. Os benefícios gerados pelo Data Science são diversos dentre alguns listáveis estão a personalização no atendimento, aumento do retorno sobre investimentos, criações de estratégias para o meio digital, agilidade nos processos e tomadas de decisões, melhoria na prestação de serviços, etc.

Mas assim como no Big Data, com o Data Science a quantidade de informações não é tão relevante, e sim o que irá fazer para impulsiona-las. Por isso, é capaz de ajudar por meio dos estudos destas informações e trabalhando sobre elas, fazendo-as fluírem melhor dentro de uma empresa.

Portanto, tanto o Data Science quanto o Big Data são sistemas de inteligência artificial. O Big Data para analisar os grandes volumes de dados e o Data Science para estudar esses dados e buscar organizá-los.

Os Diferentes Modelo de Organograma

Sua empresa já possui algum modelo de organograma?  Qual o tipo e porque escolheu esse?

Antes de tudo, existem diferentes modelos de organogramas e cada empresa pode escolher aquele que mais se adequar à sua realidade quanto a divisão de funções e cargos. Saiba que não existe um tipo certo ou errado e sim aquele que representa a realidade dos departamento e como eles estão divididos. Quer entender melhor? Leia este artigo e veja quais são esses organogramas e como cada um funciona.

 

Organograma Clássico ou Vertical

Geralmente este é o modelo de organograma mais conhecido, utilizado e tradicional para representar as posições hierárquicas dentro das empresas. Em seu formato possui as caixas de cargos distribuídos por grau de importância, do topo até a base. Nele são apresentadas informações relacionadas a hierarquias e suas funções, fluxo de comunicação entre os cargos e estrutura de atividades de cada setor.

A saber, as vantagens do vertical são de possibilitar maior clareza na hierarquia e na definição de funções, melhora a compreensão do fluxo de trabalho, contribui para plano de carreira, facilita a gestão e capacitação.

Modelo de organograma vertical

Organograma Horizontal

A diferença deste modelo para o vertical é justamente como as informações estão organizadas, porque segue o mesmo padrão mas de forma horizontal, como o próprio nome já diz. Os cargos mais importantes hierarquicamente falando, estão mais para a esquerda e conforme cresce para a direita vai se chegando aos cargos e áreas mais operacionais.

Sendo assim as vantagens de se fazer um organograma horizontal são agilidades na gestão, menos burocracia, ambiente informal, colaboradores engajados e mais focos em projetos.

Modelo de organograma horizontal

Leia também: A Importância de um Organograma Para as Empresas

Circular ou Radial

É um modelo de organograma considerado mais moderno, as informações setorizadas estão num gráfico circular, cada área, cargo e função são separadas por cores específicas. Sendo que os responsáveis ficam no centro e os demais ao redor.

A principal característica do circular não é relacionada a representar hierarquia. E sim, para quem deseja ressaltar o trabalho em equipe, a unicidade entre as divisões e proximidade das áreas. Dessa forma, se este é o objetivo da sua empresa esta com certeza é a melhor representação. Além disso, demonstra a capacidade decisória do líder, por isso ele fica no centro.

Modelo de organograma circular

Organograma Linear de Responsabilidade (ORL)

Já este, é o modelo de organograma que apresenta cada atividade de determinada área e identificando quem é o responsável por cada uma delas. O objetivo é demonstrar as relações entre as diversas atividades, como uma comunicação de linhas cruzadas.

Ou seja, o organograma linear tem uma função diferente dos outros, o qual é de organizar as tarefas e demonstrar a obrigação de cada um dos colaboradores.

Dessa forma, ele gera benefícios como facilitar e identificar de forma mais rápida as atribuições e responsabilidades de cada função. E ainda como é a interações entre as equipes e as respectivas atividades.

Modelo de organograma linear

Organograma Em Barras

Considerado um modelo de organograma menos popular entre as empresas, por meio dele cada coluna é elaborada dentro de um retângulo posicionado na vertical e conforme a hierarquia.  Quanto mais elevado for o nível hierárquico do cargo, maior será a barra a ele destinada.

Não costuma ser muito usado pelas empresas, pois não é possível fazer a ligação entre os cargos. Porém é considerado de fácil compreensão já que as informações são entrepostas de forma direta.

Entretanto, ela possui benefícios como por exemplo auxiliar no momento que precisar reportar problemas e na identificação de responsabilidades. Assim também, permite melhor compreensão como já citado e ainda pode ser aproveitado como ferramenta estratégica.

Modelo de organograma em barras

 

Organograma Matricial

Modelo muito útil para representar estruturas temporárias, que serão formadas por uma ou mais unidade de trabalho e que atuarão juntas no projeto. Também é utilizada por consultores para ilustrar parte de um trabalho. Costuma ser bastante utilizado pelas empresas por conta da sua flexibilidade e adaptação para execução de tarefas.

Dentre suas vantagens estão a ligação entre os departamentos, auxilia no controle de resultados, proporciona um quadro flexível, colabora para o ambiente ter mais fluidez, todos funcionários podem participar das tomadas de decisões.

Modelo de organograma matricial

Veja também:Como bons processos de gestão ajudam a engajar a equipe?

Organograma Funcional

Muito utilizado atualmente e bem semelhante ao vertical, porém esse modelo de organograma, representa as relações funcionais e não hierárquicas. É o mais racional de todos os modelos.

Desse modo seus benefícios são permitir que todos conheçam a estrutura organizacional da empresa, colabora e facilita o trabalho em equipe, mais flexibilidade na execução das atividades, processos mais estruturados e informações centralizadas.

Modelo de organograma funcional

Portanto, o organograma de uma empresa é uma ferramenta essencial para representar a gestão administrativa de cada organização. Esse é um artifício importante para que seus colaboradores, fornecedores, clientes e parceiros tenham consciência da estrutura administrativa da sua empresa.

Além disso, facilita o entendimento para execução de tarefas e como cada departamento e cargos funcionam.

Uma dica é que na elaboração dos organogramas é importante determinar os cargos e funções, depois organizá-los. Assim facilita para quem for fazer a distribuição.

Gostou do nosso artigo? Compartilhe nos comentários suas experiências.

 

Rafaela de Souza Batista

Bacharela em Comunicação Social – Publicidade e Propaganda. Redatora e Produtora de Conteúdo para Web. Ama escrever e criar coisas novas. Uma estudiosa sobre o comportamento do consumidor e as novidades da área do marketing.